Chacina na AM-010: PMs suspeitos agiram como ‘grupo organizado’, diz inquérito da PC-AM

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

O inquérito que investiga e pede a prisão dos 12 policiais militares da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) suspeitos na chacina de quatro pessoas, ocorrida no último dia 21, aponta que eles teriam agido como “grupo organizado”.

De acordo com o delegado Danniel Antony, “há uma relação entre os investigados com os indícios encontrados pela investigação, pois os policiais agiram de maneira concatenada, em atividade típica de grupo organizado e que a liberdade dos suspeitos pode prejudicar as investigações”, diz trecho do pedido de prisão.

Os PMs foram filmados revistando as vítimas, escoltando e horas depois elas foram encontradas mortas, sendo os militares os últimos a verem o quarteto com vida.

Ainda conforme o inquérito, pelas placas dos carros, a polícia identificou um sargento e três cabos na viatura de prefixo 25.9210; um sargento, um soldado e dois cabos na viatura 25.9212 e um sargento, dois soldados e um cabo, na viatura 25.9213.

A Polícia Militar do Amazonas (PM-AM) afastou imediatamente os envolvidos até o esclarecimento do caso e a juíza Dinah Câmara Fernandes decretou as prisões. No pedido, considerou ser de extrema importância até a conclusão das investigações.

Inicialmente, os policiais ficaram no batalhão de guarda, mas alegaram estarem recebendo ameaças. Além disso, uma das vítimas é filho de um PM lotado no local, o que seria uma ameaça aos investigados. Por conta disso, eles foram transferidos Comando de Policiamento Especializado (CPE).

Nesta quarta-feira (28), a defesa dos 12 policiais alegou que eles foram presos sem provas e que as investigações ocorreram de maneira “totalmente genérica”.

O crime

O grupo foi preso por suspeito na morte dos irmãos Diego Máximo Gemaque e Lilian Daiane Máximo Gemaque, que tinham 33 e 31 anos, respectivamente, e o casal Alexandre do Nascimento Melo e Valéria Luciana Pacheco da Silva, de 29 e 22 anos. Alexandre é filho de um PM. As vítimas foram encontradas mortas dentro de um carro, no Ramal Água Branca 1, na AM 010. Todos foram mortos a tiros.

Leia Também