Mais de 70 fiéis morrem ao fazer culto do Jejum; pastor foi preso

Facebook
Twitter
WhatsApp

A polícia queniana recuperou 73 corpos nesta segunda-feira (24), a maioria de valas comuns em uma floresta no leste do Quênia, supostamente seguidores de uma seita cristã que acreditavam que iriam para o céu se passassem fome, afirma a polícia local. As informações são da Reuters.

ADVERTISEMENT

O número de mortos, que aumentou repetidamente à medida que as exumações foram realizadas, pode aumentar ainda mais. A Cruz Vermelha do Quênia disse que 112 pessoas foram dadas como desaparecidas para uma mesa de rastreamento e aconselhamento que montou em um hospital local.

O líder do culto, Paul Mackenzie, foi preso em 14 de abril após uma denúncia que sugeria a existência de covas rasas contendo os corpos de pelo menos 31 de seus seguidores.

“O número de mortos agora é de 73 pessoas”, disse Charles Kamau, detetive-chefe em Malindi, condado de Kilifi, à Reuters por telefone.

Ele disse que mais três pessoas foram presas, sem dar detalhes. O canal privado NTV informou que um dos presos estava detido por suspeita de ser um colaborador próximo do líder do culto.

Seguidores da autoproclamada Igreja Internacional das Boas Novas viviam em vários assentamentos isolados em uma área de 800 acres dentro da floresta Shakahola.

A Direção de Investigações Criminais disse no Twitter que 33 pessoas foram resgatadas até agora.

Mais cedo nesta segunda, o chefe de polícia do país, Japhet Koome, visitando o local, disse que a maioria das pessoas foi encontrada em valas comuns, assim como oito que foram encontradas vivas e emaciadas, mas depois morreram.

Koome disse que 14 outros membros do culto estão sob custódia da polícia.

Mackenzie foi indiciado em 15 de abril no Tribunal de Justiça de Malindi, onde o juiz deu à polícia 14 dias para conduzir as investigações enquanto ele estava detido. A mídia queniana informou que ele está recusando comida e água.

O presidente William Ruto disse que os ensinamentos de Mackenzie eram contrários a qualquer religião autêntica.

“O Sr. Mackenzie… finge e se apresenta como um pastor quando na verdade ele é um criminoso terrível”, disse Ruto, que estava fazendo um discurso em um evento público não relacionado nos arredores de Nairóbi.

Ele disse que instruiu as agências relevantes a chegar à causa raiz do que aconteceu e a enfrentar “pessoas que querem usar a religião para promover uma ideologia estranha e inaceitável na República do Quênia que está causando perdas desnecessárias de vidas”.

Leia Também

Verified by MonsterInsights