Boate Kiss: Sócios e integrantes de banda são condenados pelas 242 mortes no incêndio

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
O incêndio ocorreu em 2013 durante um show pirotécnico da banda. A maioria das pessoas morreram por inalação da fumaça tóxica.

Nesta sexta-feira (10), quatro pessoas foram condenadas no julgamento da tragédia que ocorreu em janeiro de 2013, na Boate Kiss, em Santa Maria (RS). Os sócios da Boate Kiss, Elissandro Callegaro Spohr e Mauro Londero Hoffmann, o vocalista da Banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos, e o produtor musical Luciano Bonilha Leão, foram condenados pelo incêndio que matou 242 pessoas.

Elissandro foi condenado a 22 anos e 6 meses anos de reclusão, Mauro a 19 anos e 6 meses. Já os integrantes da banda, Marcelo e Luciano a 18 anos. A condenação vale a partir de seu anúncio.

Decisão

As penas foram lidas pelo juiz Orlando Faccini Neto. Ainda cabe recurso, mas o regime inicial é fechado. O juiz havia pedido a prisão imediata, com dispensa de algemas, para que eles “fossem conduzidos com toda a dignidade” para a cadeia, mas em seguida recebeu um habeas corpus preventivo, feito pela defesa de Spohr, e suspendeu a execução da sentença para todos os condenados, por entender que deveria ser estendido o benefício a todos igualmente.

Tragédia

O incêndio que matou 242 pessoas e deixou 636 feridas começou no palco, onde se apresentava a banda Gurizada Fandangueira, após um show pirotécnico. As chamas logo se alastraram rapidamente, provocando muita fumaça tóxica. Um dos integrantes disparou um artefato pirotécnico, atingindo parte do teto do prédio, que pegou fogo.

A boate possuía apenas uma porta de saída desobstruída e por isso, no dia do desastre bombeiros e populares tentavam abrir passagens quebrando os muros da casa, mas a demora no socorro acabou sendo trágica para os jovens, a maioria estudantes que moravam na cidade, que estavam dentro da boate.

A maioria das vítimas parte acabaram morrendo pela inalação de fumaça tóxica, do isolamento acústico do teto, formado por uma espuma inflamável, incompatível com as normas de segurança.

Leia Também