Walter Casagrande deixa a Globo após 25 anos: ‘Alívio para os dois lados’

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

O comentarista esportivo Walter Casagrande informou, nesta quarta-feira (6), que após 24 anos na Globo estava deixando a emissora em comum acordo. O ex-jogador fez o anúncio em suas redes sociais e levantou suspeitas se a relação estava estremecida. A Globo também se manifestou.

“Olá pessoal. Vim aqui para avisar a vocês que, depois de 25 anos de TV Globo, seis Copas do Mundo, com cinco finais, incluindo a de 2002 com os dois gols do Ronaldo, três Olímpiadas e diversas finais de campeonato por aí, meu ciclo acabou. Tô saindo da Globo hoje, não faço mais parte do grupo de esporte da TV e vou seguir minha estrada. Na realidade acho que foi um alívio para os dois lados. Um beijo a todos”, escreveu o ex-jogador.

Em seguida, a emissora também se manifestou e exaltou a parceria com Casagrande. “Como jogador, Walter Casagrande Júnior escreveu uma história importante dentro de campo: ídolo do Corinthians, onde foi protagonista da Democracia Corintiana, teve passagem pelo futebol europeu e também defendeu a seleção brasileira na Copa do Mundo de 1986. Fora dos gramados, a trajetória foi também de sucesso. Há 25 anos ele exerce a função de comentarista, 24 deles na Globo. Um período marcado por grandes momentos, conquistas, emoções, superação e pela autenticidade, uma de suas marcas registradas. Em comum acordo, a parceria entre Globo e Casagrande chega ao fim, mas suas análises estarão para sempre marcadas no almanaque das transmissões de futebol da televisão brasileira”.

Walter não vai estar na Copa do Catar, que também marca a despedida de Galvão Bueno da emissora. O contrato do comentarista com a Globo terminaria em dezembro, mas foi encerrado antes do prazo.

Conhecido por opiniões fortes, há três semanas o ex-atleta protagonizou um momento corajoso durante o programa Encontro. Ele reagiu com emoção após a notícia de que foram encontrados os corpos do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira na Amazônia.

Visivelmente tocado com a informação, ele disse que a crueldade está se espalhando pelo Brasil. 

“O Brasil não é perverso, não é psicopata. Ele está perverso e psicopata. Nós temos um governo covarde, mentiroso e muito cruel. A crueldade está tendo aval. Elas não tem mais medo de ofender, atacar. Tá tudo assinado, essas pessoas se soltaram”, lamentou ele.

Leia Também