De sapateiro a aprovação na OAB: veja a história do venezuelano que fugiu da fome e venceu em Manaus

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

Após imigrar da Venezuela devido a situação política no país de origem, o venezuelano e advogado Eliud Rafael Blanco Hernandez conquistou o direto de exercer sua profissão aqui em Manaus. Ele é o primeiro nesta situação a conseguir ser aprovado na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Na Venezuela, Eluid cursou Direito e chegou até fazer mestrado em Direito Penal e Criminologia, mas com a crise econômica e política no país, ele se viu ‘obrigado’ a abandonar tudo e arriscar a vida aqui no Brasil, por questão de sobrevivência. Primeiramente, em 2017, ele viveu em Boa Vista (RR), mas logo em seguida, em 2018, veio para Manaus, onde conseguiu sobreviver vendendo diversos produtos nos semáforos da cidade, como sucos, dindim e coco gelado e, posteriormente, trabalhou como sapateiro no Centro de Manaus. “Primeiro foi perto do porto de Manaus, e depois fiquei bem na frente do Garajão. Eu ficava numa loja bem na frente que vendia coisas de som antigas e novas”, lembra.

Com o dinheiro que ganhava ele conseguia reconstruir a vida com a esposa e ainda enviar um pouco para a família que havia ficado na Venezuela. Em território brasileiro, o primeiro obstáculo vencido foi o idioma. Com muito estudo e dedicação, Eliud aprendeu o português e assim conseguia se comunicar melhor com todos.

Oportunidade

Mas apesar de estar conseguindo vencer aqui em Manaus, o venezuelano não esquecia a profissão que tinha deixado para trás. Certo dia, por meio de um amigo, conheceu um pastor, que lhe sugeriu procurar a OAB/AM. E assim ele fez. Foi até a sede da ordem e lá contou a sua história para a secretária geral de lá. Em seguida, ela marcou um encontro com ele e o presidente da OAB, Marco Aurélio Choy. Ao chegar para a reunião, Eliud se surpreendeu quando viu que já tinha tudo preparado para ele começar a trabalhar no local, como auxiliar administrativo, no Tribunal de Ética.

Desta forma, o primeiro passo foi dado. Em seguida, o venezuelano se informou sobre como revalidar o diploma e foi até a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) para iniciar o processo de validação aqui no Brasil.

Para conseguir o direito de exercer a profissão, Eliud precisou voltar a estudar. Ele cursou duas disciplinas práticas na universidade, por dois períodos e ao final, conseguiu ter o diploma validade no País.

Consagração

Após todos os esforços, o advogado precisava ainda a fazer a prova da OAB. Ele continuou estudando e realizou o exame. No dia 6 deste mês, com a aprovação, Eliud tornou-se o primeiro venezuelano, dos imigrantes para o Brasil desde 2015, a ser aprovado na ordem.

Agora, quatro anos após deixar o país de origem para tentar sobreviver, o advogado já conseguiu trazer a família para morar no Brasil e sonha agora em exercer a profissão. Mas os planos não param por aí. O venezuelano pretende agora estudar para concurso público para o cargo de delegado. “Dependendo das circunstâncias, pretendo concursar como delegado, docente, contribuir na política de educação, montar o meu próprio escritório e retribuir ao Brasil o que tenho recebido; me considero uma pessoa filantrópica e quero ajudar aos imigrantes e nacionais brasileiros”, afirma.

Leia Também