Urgente: Anvisa identifica dois casos da variante ômicron no Brasil

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Uma das pessoas chegou recentemente ao Brasil, vinda da África do Sul.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou na tarde desta terça-feira (30), a identificação preliminar de dois casos da variante ômicrin, do novo coronavírus, no Brasil. Segundo a agência, em um dos casos trata-se de um brasileiro recém-chegado no País, vindo da África do Sul.

A testagem foi realizada pelo laboratório Albert Einstein, porém, uma nova análise será feita para confirmar se trata-se da variante. Segundo o órgão, uma testagem foi feita porque uma das pessoas havia chegado da África do Sul. Ele desembarcou no aeroporto internacional de Guarulhos no dia 23 de novembro, com exame de RT-PCR negativo. Mas, como iria voltar ao país, ele procurou o laboratório localizado no mesmo aeroporto dois dias depois na companhia de sua esposa.”Naquele momento, ambos testaram positivo para a Covid-19 e o fato foi comunicado ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) de São Paulo”, diz a nota da Anvisa.

Com o resultado positivo, o laboratório realizou o sequenciamento genético das amostras, com notificação à Agência nessa segunda-feira (29). Hoje, informou ao órgão que, em análises prévias, foi identificada a variante.

Agora, o material será enviado ao Instituto Adolfo Lutz para confirmação. A Anvisa informou, ainda que, que oficiou ao Ministério da Saúde e as secretarias de Saúde estadual e municipal de São Paulo sobre o caso “para adoção das medidas de saúde pública importantes”.

“A Agência ressalta que a entrada do passageiro no Brasil ocorreu no dia 23/11, ou seja, antes da notificação mundial sobre a identificação da nova variante, que foi relatada pela primeira vez à Organização Mundial de Saúde (OMS) pela África do Sul no dia 24 de novembro “, destaca.

A ômicron já foi detectada em pelo menos 12 países e foi considerada pela OMS como “variante de preocupação”. Ainda não se sabe se ela é mais transmissível ou mais letal que as demais mutações do novo coronavírus .

Leia Também