Esposas de políticos perdem ação judicial de posse irregular de terreno e local ‘invadido’ irá virar academia

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
O local onde funcionava os badalados Café Vista Rio e Unba Sushi Bar darão espaço para abertura da academia Atala.

A ‘briga de gente grande’ envolvendo esposas de políticos do Amazonas, ex-secretário e o administrador do Porto de Manaus pela posse irregular de um terreno na Ponta Negra, onde funcionava o café Vista Rio e o Unba Sushi Bar ganha mais uma página na Justiça. Após conseguir reintegração do terreno, o empresário Rafael Barbosa de Andrade anunciou que o local será a nova sede da academia Atala.

Segundo consta no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), o terreno onde funcionava os dois empreendimentos e que era frequentado pela alta sociedade de Manaus foi supostamente invadido pelo empresário Mário Gonçalves, por meio de uma fraude em cartório. O processo transitava no TJAM desde 2016.

Após a invasão, Mário alugou o local para as empresárias Soraya Almeida de Souza, que é casada com o prefeito de Rio Preto da Eva, Anderson Souza, e Thalita Dias da Costa, casada com o ex-prefeito de Coari, Rodrigo Alves da Costa e que teve o mandato marcado por episódios de corrupção, além de ter sido reprovado pelo TCE-AM em 2009, ocasião em que foi condenado a devolver R$ 108,7 milhões aos cofres públicos. Lá as duas abriram o Sushi Bar.

Além delas, outros dois sócios também estão envolvidos na briga na Justiça. Antônio Nelson de Oliveira, ex-secretário de Meio Ambiente da PM e que é filho da deputada Terezinha Ruiz, e Felipe Bronze, filho do empresário Alexandre Bronze, que administra o Porto de Manaus, também são sócios do Unba Sushi Bar.

Os locatários (donos do café e Sushi Bar) entraram com um novo pedido na justiça, na tentativa de conseguir a reintegração de posse novamente do estabelecimento. No documento é argumentado que o imóvel ainda estava com todos objetos dos empreendimentos no local e que os contratos de locação eram válidos até março de 2022.

O pedido foi discutido pelo desembargador Yedo Simões na última segunda-feira (1º), que determinou a posse do imóvel aos locatários. Contudo, na certidão de justiça enviada pelo dono do estabelecimento consta que “a retirada de tudo que pertencia às empresas foi concluído no dia 25 de outubro deste ano”.

Após decisão judicial, o verdadeiro dono do local fechou com academia Atala.

Leia Também