Babá agredida em Manaus diz que não teve chance de se defender e defesa acredita que ela foi discriminada

Facebook
Twitter
WhatsApp

A babá Cláudia Gonzaga Lima conversou com o Fantástico na noite deste domingo (27) e se emocionou ao lembrar da agressão sofrida dentro do condomínio Life Ponta Negra, quando foi agredida pela professora de educação física Jussana Machado, esposa do policial civil Raimundo Nonato, que também agrediu o patrão dela, o advogado Ygor Colares.

ADVERTISEMENT

Advogado baleado não voltou para casa e relembra os xingamentos dos vizinhos: ‘Tu é um vi*do enrustido’; veja

Após toda a repercussão do caso, a babá disse que se sentiu humilhada e lembrou que não teve como se defender das agressões naquele dia, quando ela já estava indo embora.

“Eu só senti quando ela me empurrou. Quando eu me virei, eu já fui apanhando literalmente, né? Ela já foi me batendo, me dando socos. Eu não tive nem chance de defesa. Eu me sinto humilhada, é assim que eu me sinto”, emociona-se a babá ao relembrar o que sofreu.

O advogado Josemar Berçot, que faz a defesa de Ygor e Cláudia, acredita que a babá foi vítima de discriminação, já que não haveria motivos para o casal ter problemas com ela.

“A única hipótese que nós conseguimos enxergar diante do quadro, das testemunhas das situações anteriores, é que havia uma nítida discriminação contra a senhora Cláudia pela condição social, socioeconômica dela, em ser uma babá”, afirmou.

O advogado Ygor, que foi atingido com estilhaços na perna, disse que o conflito começou em julho, quando o casal o procurou e disse que Cláudia estaria fazendo fofoca sobre eles.

“A Cláudia negou veementemente qualquer ato de fofoca e eles ficaram irritados. Eles gostariam que eu demitisse a Cláudia”, conta ele, que acredita que por esse motivo o casal continuou em conflito, já que a babá continuou trabalhando normalmente.

O Fantástico mostrou ainda dois vídeos, sendo um deles do corredor do apartamento. É possível ver Cláudia esperando o elevador com o filho de 2 anos do advogado, no carrinho, quando o policial passa na frente dela e a impede de entrar.

Logo em seguida Jussana também entra e ambos não deixam ela usar o mesmo elevador, chegando a empurrar com o pé o carrinho do bebê.

Em outro vídeo, é possível ver Cláudia numa área comum do condomínio. Jussana chega, aponta o dedo e parece fazer ameaças. Ela teria dito que só não bateria na babá por causa das crianças ali, mas que “a pegaria lá fora”.

O advogado Arthur da Costa Ponte, que faz a defesa do casal, nega que eles tivessem preconceito contra Cláudia e que o tiro não foi proposital. “A violência, nesse caso, ela é injustificável, não tem justificativa para a forma como eles agiram. Mas o disparo foi acidental”, disse.

O casal permanece preso e na última semana a defesa pediu prisão especial para Jussana, mas o benefício não foi concedido.

Prisão especial é negada para esposa de investigador da PC-AM que deu tiro no vizinho e agrediu babá

 

Leia Também

plugins premium WordPress
error: Conteúdo protegido contra cópia!