Mulher finge pedir açaí por telefone e denuncia violência doméstica à PM

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

Rio Grande do Sul| O caso ocorreu no último sábado (5), mas se tornou público hoje, uma mulher que sofria violência doméstica pediu ajuda à Brigada Militar, como é chamada a polícia militar no RS, simulando uma encomenda de açaí por telefone. O companheiro foi preso na hora.

O soldado da Central de Atendimento do Departamento de Comando de Controle Integrado da Capital, Danilo Garcia, informou que o telefone tocou por volta das 7h.

No momento disso eu já comecei a pegar o endereço dela. Após pegar o endereço dela, ela estava no telefone e tinha alguém próximo dela e deu pra ver que eles estavam em atrito e aí a gente confirmou que era um pedido de socorro e através disso já enviei para o batalhão da área e eles enviaram uma viatura no local e constataram que era um agressão”, conta o soldado.

A denúncia foi feita na Zona Leste de Porto Alegre. A Brigada Militar chegou pouco tempo depois na casa e o suspeito foi preso em flagrante. Segundo a polícia, a mulher tinha sofrido tapas e empurrões do companheiro. 

“Ela relatou justamente que houve esses empurrões e esses tapas assim não houve desdobramentos mais graves porque justamente ela teve iniciativa de recorrer e ligar pra BM e solicitar atendimento no primeiro momento, primeiro estagio de violência doméstica que é justamente o que nós orientamos que a vítima faça”, diz a delegada da Delegacia da Mulher de Porto Alegre, Jeiselaure Rocha de Souza. 

O relacionamento era recente, mas o homem já tinha histórico de agressão. Ele foi solto, mas a mulher entrou com uma medida protetiva contra ele. 

“A partir de então essa vítima tem uma medida protetiva em seu favor, ela está em segurança, nossa equipe entrou em contato porque é de praxe da Polícia Civil nesses casos entrar em contato com a vítima para orientar né, que caso tenha uma nova ameaça ou caso haja um descumprimento dessa medida protetiva que ela procure a polícia para que a gente faça a prisão em flagrante ou represente pela prisão preventiva do agressor”, destaca a delegada.

Leia Também