Covid-19: Pfizer diz que entrega vacinas para crianças em janeiro de 2022

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
A vacina já foi aprovada pela Anvisa em 16 de dezembro e agora aguarda posicionamento do Ministério da Saúde.

Nesta sexta-feira (24), a Pfizer anunciou que há previsão para entrega de vacinas contra a Covid-19 destinadas a crianças com idades entre 5 e 11 anos a partir de janeiro de 2022.  A vacina já foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), porém, o Ministério da Saúde ainda resiste em incluir este público na campanha de vacinação.

“A Pfizer está atuando junto ao governo para definir as etapas do fornecimento das vacinas contra a covid-19 para imunização da faixa etária de 5 a 11 anos, com estimativa de entregas a partir de janeiro de 2022”, diz a nota da farmacêutica. 

O Ministério da Saúde informou que só irá se pronunciar sobre o assunto no dia 5 de janeiro do ano que vem. “Esperamos as contribuições da sociedade, mas de antemão deixar todos tranquilos que uma vez decidida pela aprovação dessa regra, que o grupo da Secovid trabalhou, nós já temos condições de começar essa vacinação dentro de uma prazo bastante curto”, disse o ministro Marcelo Queiroga.

O terceiro contrato do governo federal com a Pfizer, assinado em novembro deste ano prevê a entrega de 100 milhões de doses em 2022 e inclui a possibilidade de fornecimento de versões para diferentes faixas etárias, conforme solicitação por parte do Ministério da Saúde.

Em consulta pública para avaliar a vacinação de crianças, o Ministério da Saúde informou que irá recomendar autorização da vacinação contra a covid-19 de crianças de 5 a 11 anos de idade com a vacina da Pfizer, desde que estas tenham prescrição médica para tomar o imunizante e que os pais assinem um termo de consentimento. 

A necessidade de uma prescrição médica, no entanto, é refutada pelos secretários de saúde do país, que informaram, nesta sexta (24/12), por meio de nota, que “não será necessário nenhum documento médico” para recomendar que as crianças tomem a vacina quando a imunização deste grupo for iniciada no país.

Leia Também