TJ marca audiência para suspeitos de matar jovem aprendiz da Bemol dentro da Linha 444

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

A 9.ª Vara Criminal da Comarca de Manaus marcou para o dia 3 de outubro deste ano, a partir das 10h15, a audiência para instruir a Ação Penal n.º 0773825-13.2021.8.04.0001, que tem como denunciados Lucas Lima e Janderson Cabral Cidade, acusados do crime de latrocínio que teve como vítima o jovem aprendiz da Bemol Melquisedeque Santos do Vale. A audiência vai ser presidida pelo juiz de Direito Henrique Veiga Lima, titular da 9.ª Vara Criminal. A vítima voltava para casa com panetone e uma mochila, após um dia de trabalho como jovem aprendiz da Bemol.

De acordo com o inquérito policial que investigou o crime e que gerou a denúncia oferecida pelo Ministério Público, o crime ocorreu por volta de 16h30 do dia 16 de dezembro de 2021, em ônibus coletivo da Linha 444, que trafegava na Avenida Santos Dumont, bairro do Tarumã, zona Oeste de Manaus. Lucas Lima e Janderson Cabral Cidade, que estariam acompanhados de um indivíduo chamado de “Pequeno”, teriam entrado no ônibus vestidos de “gari” e, em dado momento, anunciado o assalto. “Com violência e extrema agressividade”, conforme a denúncia do órgão ministerial, passaram a exigir e a recolher os objetos dos passageiros, incluindo os telefones celulares de três mulheres, o telefone e uma quantia em dinheiro de um homem, além da renda do caixa do coletivo.

O processo tem seis vítimas, sendo que Melquisedeque Santos do Vale morreu no local do crime. O Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE/AM) apontou, por meio da denúncia oferecida pela promotora de Justiça Leda Mara Nascimento Albuquerque, cinco testemunhas de acusação. Lucas Lima e Janderson Cabral Cidade foram denunciados nas penas do art. 157, parágrafo 2.º; inciso II, parágrafo 2.º-A; inciso I e parágrafo 3.º; inciso II, combinado com o art. 70, (latrocínio), todos do Código Penal Brasileiro.

Denúncia

Ainda segundo a denúncia, enquanto Lucas e “Pequeno” estariam ameaçando as vítimas e recolhendo seus pertences, Janderson teria atirado na cabeça de Melquesedeque, que morreu na hora. De acordo com os autos, um quarto elemento daria suporte à ação dos acusados, em outro veículo.

Leia Também