Secretário de Saúde do AM nega que tenha faltado assistência à filha de Magrinha Ellen

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

MANAUS – AM | O Secretário de Saúde do Amazonas, Anor Samad, declarou, nesta terça-feira (13) que não faltou material e nem assistência à filha da influenciadora amazonense Magrinha Ellen. Luna Lima, de apenas 5 anos, faleceu na noite desta segunda-feira (12), em decorrência de leucemia.

A declaração do secretário foi dada em entrevista ao Jornal do Amazonas (JAM2). Ele afirma que em nenhum momento a direção do Hospital negou qualquer material à menina. Ele conta que foi solicitada uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva) por volta das 23h e que, cerca de meia hora depois, a criança foi transferida.

No entanto, ela acabou não resistindo.

A entrevista foi feita após inúmeras declarações de Ellen Lima de Souza, a Magrinha Ellen, através das redes sociais, culpando o governo do Amazonas por não ter conseguido a UTI para sua filha. Desesperada pela piora no quadro clínico da criança, a influenciadora fez uma série de stories atacando o governador.

Em nota, a Fundação Hospitalar de Hematologia e e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam) declarou que não procedem as informações de que foi solicitado à família que levassem materiais como copos descartáveis e outros equipamentos, e que a única coisa que o hospital pede da família dos pacientes são produtos de higiene pessoal.

Confira a nota da Secretaria sobre o caso:

“A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) lamenta o falecimento da paciente e informa que prestou toda assistência à criança, que iniciou tratamento para Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA) no dia 26 de agosto.

Nesta segunda-feira (12/09), a paciente apresentou necessidade de transferência para UTI, com pedido aceito para o Hospital e Pronto Socorro Infantil da zona Oeste, para onde foi transferida.

Desde o início da internação, informações e orientações estavam sendo repassadas pela equipe multidisciplinar da FHemoam ao pai da criança, que a acompanhava durante o tratamento.”

Leia Também