Robinho não tem mais como escapar da cadeia, afirma jurista

Facebook
Twitter
WhatsApp

Os dias de liberdade do ex-jogador Robinho estão contados. É o que diz o advogado que representa a mulher que de acordo com a justiça da Itália ele estuprou, com a ajuda de amigos.

ADVERTISEMENT

Jacopo Gnocchi afirmou que os advogados de Robinho tentam buscar “pelo em ovo” para livrar o condenado da prisão. A Itália enviou cópia da sentença para o STJ no Brasil, e pediu que ele cumpra a pena aqui mesmo.

Os advogados brasileiros de Robinho tentam protelar a decisão e pedem que a Itália mande o processo todo, já traduzido. “Acho um pouco fora de hora essa tentativa de buscar ‘pelo em ovo’ para evitar o inevitável, ou seja, que ele cumpra a pena no Brasil”, disse o advogado. “Não creio que haja mais nada para demonstrar pois o culpado [Robinho] teve um julgamento justo, com todas as garantias de defesa, porque foi assessorado em todos os graus do julgamento por advogados italianos absolutamente especializados.”

São nove anos de cadeia para pagar.  “Todas as convenções internacionais que regem os mecanismos de reconhecimento de sentenças estrangeiras preveem que o Estado sentenciador transmita a sentença a ser reconhecida e, no máximo, as normas incriminatórias”, disse uma pessoa do Ministério da Justiça italiano, falando ao UOL em anonimato.

“O Robinho não foi julgado à revelia. Ele conhecia a acusação. Seus advogados podem ter acesso às informações por meio dos advogados italianos que o defenderam. Normalmente a sentença basta para esse tipo de julgamento, junto com a certidão do trânsito em julgado. O STJ analisa questões formais e não a decisão italiana. As normas que regem a matéria não dão ao STJ a possibilidade de fazer um exame de fundo sobre o conteúdo fático, então não tem porque traduzir depoimentos”, afirmou Vladimir Aras, procurador e professor de processo penal da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

O processo corre no STJ no Brasil e Robinho já foi intimado a se manifestar.

 

Leia Também

plugins premium WordPress
error: Conteúdo protegido contra cópia!