Policial civil e esposa agridem mulher e bebê negras em condomínio: “me chamou de suja”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

SÃO PAULO | A moradora Júlia Barros de Andrade foi agredida, juntamente com o esposo e a filha, de apenas 1 ano e 6 meses, no momento em que brincavam em uma área de lazer de um condomínio fechado, em Campinas, em São Paulo. O suspeito das agressões é um policial civil.

Durante a brincadeira com a criança, Júlia começou a ouvir as reclamações. Um vídeo divulgado nas redes sociais mostrou o agressor discutindo com outros moradores e gritando contra a mulher. “Não coloquei essa merda dessa criança aí no mundo. Essa bosta, que saiu de você”, disse o homem.

“A gente não estava fazendo barulho e ele já veio de forma agressiva com a esposa dele. Pegou as pedras da caçamba e começou a jogar contra a minha filha para poder acertar ela”, contou Julia.

Júlia revelou à EPTV, afiliada da TV Globo, que sofreu injúria racial do agressor. “Me chamou de suja, me chamou de encardida, falou que eu tinha que voltar para o lugar de onde eu vim, que o que eu coloquei no mundo foi uma indigente. Ele discutia com o meu marido, mas não ofendia meu marido. Ele só ofendia a mim a minha filha”, contou.

 Corregedoria instaurou inquérito para apurar a conduta. O vídeo que mostra o casal hostilizando as vítimas viralizou nas redes sociais.

Leia Também