Por causa de infecção urinária, jovem tem complicações e as mãos e pernas amputadas

Facebook
Twitter
WhatsApp

A jovem Gabrielle Barbosa Silva, de 20 anos, viralizou nesta semana nas redes sociais após explicar como precisou amputar as mãos e os pés por conta de uma grave infecção urinária. Ela criou uma vaquinha online para custear as próteses para tentar ter uma vida mais próxima do normal como antes.

ADVERTISEMENT

Em entrevista, a jovem de Franca, em São Paulo, explicou que teve o problema em dezembro de 2022 e tomou a medicação prescrita. Ela chegou a procurar uma médica novamente que observou os exames e informou que, caso Gabrielle sentisse alguma cólica, tomasse remédio para dor.

Acreditando ter se curado, ela seguiu a vda até que, no dia 28 de março, sentiu fortes dores nos rins e foi ao hospital. “Quando cheguei, a equipe médica tratou o caso como cólica renal. Fiz alguns exames e fui liberada na sequência. No dia seguinte, retornei para pegar os resultados dos exames e comecei a vomitar e desmaiar. Um médico passou medicamento intravenoso, antibiótico e me liberou”, contou Gabrielle.

Ao chegar em casa, a situação piorou e novamente ela desmaiou, fazendo a mãe chamar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). “A minha pressão estava muito baixa. Por conta disso, me levaram para a Santa Casa, mas, como não tinha vaga na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) naquele momento, fiquei deitada em uma maca no corredor”, disse.

Somente no dia 31 de março a jovem conseguiu ser internada, intubada e sofreu duas paradas cardíacas. “Aplicaram adrenalina em mim e foi isso que causou a necrose dos meus membros”, explicou ela, que ainda ficou seis dias em coma induzido.

Assim que acordou, no dia 5 de abril, recebeu a notícia de que suas mãos e pés precisariam ser amputados. “Chorei um pouco, mas sabia que não tinha mais como reverter o caso. No dia 18 de abril, amputei as duas mãos e, no dia 19, os pés até as canelas. Eu sei que fizeram isso para salvar a minha vida”, completou.

Gabrielle recebeu alta, está fazendo fisioterapia e acompanhamento psicológico. Ela disse que ficou totalmente dependente da mãe e de alguns familiares. “Resolvi criar uma arrecadação online porque não tenho condições para custear as próteses. Cheguei a procurar no Sistema Único de Saúde (SUS), mas as mãos são de plástico e os pés não têm articulações”, afirmou.

Agora, ela sonha em se tornar independente de novo da forma melhor possível. “Faltam 11 dias para acabar a arrecadação online e não chegou nem perto do valor ideal, mas ainda sigo confiante”, finalizou.

Leia Também

plugins premium WordPress
error: Conteúdo protegido contra cópia!