Adesivo em carro lembra população sobre participação de Eduardo Braga no aumento do valor das contas de energia

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
O adesivo se refere aos atos do senador que refletem hoje na conta de energia de cada um dos cidadãos amazonenses.

Após os aumentos constantes na conta de energia do amazonense, algumas manifestações vêm sendo feitas na capital contra o senador Eduardo Braga (MDB), que foi ministro de Minas e Energia entre os anos de 2015 e 2016, época que houve pelo menos três reajustes na conta de luz, além de ter votado pela privatização do serviço da estatal.

Em um veículo que circula na cidade um adesivo lembra a população sobre os atos do senador que refletem hoje na conta de energia de cada um dos cidadãos amazonenses. “Quando você achar que sua conta de energia está alta, lembre-se dele”, diz o adesivo, que tem ao lado uma foto de Braga.

Não é de hoje

No dia 29 de janeiro, um carro de som foi visto percorrendo ruas de diversos bairros das zonas Centro-Sul, Oeste de Norte de Manaus fazendo ataques ao senador Eduardo Braga (MDB-AM). O locutor faz várias afirmações, principalmente relacionadas ao aumento das contas de energia e às denúncias de corrupção envolvendo Braga.

Na mensagem que foi ouvida pela população manauara, o locutor associa o aumento das contas de energia à Eduardo. “Ele foi o maior incentivador da privatização da Amazonas Energia. Eduardo Braga aumentou a sua conta de energia elétrica. A culpa é dele, o pior ministro das Minas e Energia. Eduardo Braga também é acusado de violência contra mulheres e contra deficientes físicos. Eduardo Braga, o povo não vai esquecer o que você fez”, diz o locutor. “Mais acusado de corrupção da história do Amazonas. Ele foi o inventor das bandeiras tarifárias que todo ano faz explodir suas contas de energia”, conclui.

Em 2021, outdoors foram colocados na cidade com os mesmos dizeres e com uma lista dos atos de Eduardo. Na época o senador entrou com uma ação na Justiça para retirar, mas perdeu.

Leia Também