Família de sargento morta por colega decide doar órgãos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

A família da sargento Alcileide Conceição Costa de Freitas, de 44 anos, morta friamente pelo colega de trabalho, na manhã desta quinta-feira (10), durante a troca de turno no prédio da 11ª Cicom, decidiu dor os órgãos da militar. O fato salvará vidas que estão na fila do transplante. De acordo com familiares, Alcileide sempre mostrou esse desejo. Em seguida, o corpo será velado.

Crime

Alcileide foi assassinada com dois tiros no peito, quando ela e o sargento Mário Sérgio trocavam de turno 11ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), localizada no bairro Alvorada, zona Centro-Oeste. A vítima ainda chegou a ser socorrida, mas já chegou sem vida. O sargento foi preso em flagrante.

No dia 15 de maio, a sargento procurou uma delegacia para registrar um B.O para denunciar o colega que estava ameaçando-a de morte. Segundo o resgrito ele disse: “Abre teu olho, tu é o pior verme que existe e tu sabe o que acontece com os vermes.

Em nota, a PM lamentou a tragédia. “A Polícia Militar do Amazonas lamenta a morte da sargento Alcileide Conceição Costa de Freitas e informa que o outro policial militar envolvido no fato foi encaminhado ao Núcleo Prisional da Polícia Militar (NIPPM).

Por envolver policiais militares da ativa, em serviço, com fato ocorrido no interior do quartel, o caso caracteriza-se como crime propriamente militar, com tipicidade indireta no art. 9º, II, “a” do Código Penal, sendo a competência das investigações de responsabilidade da Polícia Judiciária Militar, conforme art. 144, §4º, da Constituição Federal.

A Polícia Militar ressalta, ainda, que a corporação não foi comunicada sobre qualquer tipo de desentendimento ou problemas envolvendo os dois militares até a ocorrência dos fatos.

Leia Também