Delegado Samir Freire e ‘comparsas’ ficam presos por mais 30 dias, a pedido da Gaeco

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

Por decisão do Poder Judiciário do Estado, o delegado Samir Freire e os outros investigados na operação “Garimpo Urbano” tiveram a prisão temporária prorrogada por mais 30 dias. A decisão acatou ao pedido do Ministério Público do Amazonas (MPAM).

A informação foi comunicada pelo próprio MPAM, na manhã desta segunda-feira (9). Em nota, o Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) detalhou que “para evitar atuação dos envolvidos no sentido de alterar a situação ou influenciar na coleta de provas, se faz necessária a prorrogação da medida, enquanto seguem os trabalhos de Investigação.”

O ex-secretário adjunto de inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), delegado Samir Freire, foi preso com mais outros investigadores da secretaria no dia 9 de julho. Eles são investigados por desviar cerca de 60 quilos de ouro, além cobrarem dinheiro para liberar cargas e ameaçar empresários com flagrantes ‘forjados’.    

Leia Também