Padrasto que matou jovem de 15 anos foi salvo por ela em 2021, após espancamento

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

A adolescente Jennifer Vitória Magno Soares, de 15 anos, assassinada com nove facadas pelo próprio padrasto, Carlos Alberto Paula Soares, de 36 anos, o ajudou no ano de 2021 quando o homem sofreu um espancamento ao ser confundido com um bandido. O caso ocorreu no bairro onde eles moravam e onde a jovem foi brutalmente assassinada nesta segunda-feira (1º). O suspeito ainda não foi encontrado.

Na época, Carlos Alberto vendia bombons quando sofreu a agressão em um mercadinho. Para um portal de notícias da cidade, ele, a esposa e Jennifer pediram ajuda após o ocorrido. O homem ficou bastante ferido e ia precisar de uma cirurgia no nariz.

A mãe da adolescente disse que foi ela quem encontrou o padrasto, que considerava como “pai”, quase caindo no chão. Preocupada, a jovem quase chegou a desmaiar ao ver Carlos Alberto naquelas condições, o “pai” que ela considerava uma boa pessoa.

No velório dela, na manhã desta terça-feira (2), a ex-companheira de Carlos pedia justiça. “Ele me avisou falando que tinha matado a nossa única filha. Perguntei ‘Carlos, cadê a Vitória?’, ele disse que ela não existia mais”, disse a mulher, afirmando que o homem matou a jovem por vingança, porque ela estava separada há dois meses dele.

Nas redes sociais, o suspeito, no entanto, demonstrava muito amor pela filha e ninguém imaginava que ele teria coragem de fazer isso. “Ele dizia que eu podia ficar com quem eu quisesse, que a gente não tinha mais nada, mas ele só queria que eu deixasse ele ver a minha filha”, revelou a mãe da adolescente, acrescentando que nunca impediu que a relação de pai e filha continuasse.

Jennifer Vitória foi encontrada morta na casa do padrasto usando apenas uma blusa, levantando a suspeita de que antes de ser assassinada ela tenha sofrido violência sexual. Sobre isso, a mulher acredita que ele pode ter tentado abusar da menina.

“Acredito, sim, que ele tenha tentado abusar da minha filha e ela não aceitou. Com isso, ele a matou porque sabia que ela ia me contar. A Jennifer me contava tudo. O Carlos matou a pessoa que mais amava ele nesse mundo”, finalizou a mulher.

A Polícia Civil do Amazonas ainda aguarda o laudo do Instituto Médico Legal (IML). Jennifer Vitória levou várias facadas na área do pescoço.

Ela foi encontrada no chão, coberta por um lençol. A adolescente usava apenas uma blusa e estava na casa do padrasto porque passava os finais de semana com ele após a separação dele com a mãe. O crime ocorreu na rua P, comunidade Santa Inês, bairro Jorge Teixeira, Zona Leste de Manaus.

Leia Também