Naufrágio no Pará: pescadores ajudaram em resgate e devolveram objetos das vítimas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

PARÁ | Os pescadores tiveram um papel essencial para evitar uma tragédia ainda maior no naufrágio que matou 22 pessoas na Baía de Marajó, no Pará, há uma semana. Foram eles que ajudaram a resgatar boa parte dos 66 sobreviventes, e também corpos e pertences das vítimas.

O Profissão Repórter foi até o local e falou com alguns dos homens envolvidos nessa boa ação. José Cardoso Lemos, o Zezinho, e o irmão José foram alguns desses heróis anônimos. Entre o que recolheram das águas, havia uma bolsa com R$ 5 mil, que foi entregue à polícia.

“Nós achamos sandália, mochila, carteira com documentação, dinheiro… Achamos uma bolsa que estava com R$ 5 mil, que a gente devolveu para o delegado. Uns falaram para mim: eu não tinha devolvido, porque já tinha morrido e você perdeu seu material. Eu disse: a minha consciência que vale com Deus lá em cima. Meu material estava todo na água, mas aquele monte de vida que estava ali vale mais que o meu material”, afirma Zezinho.

Zezinho e os familiares estavam saindo para buscar as redes de pesca que deixaram na água quando encontraram as pessoas boiando. Como se dedicaram ao resgate, grande parte do material de trabalho foi perdida. Mesmo assim, eles não quiseram receber dinheiro pelo salvamento.

“Eu falei que não, que dinheiro nenhum paga a vida de ninguém. E não paga mesmo vida de ninguém, dinheiro nenhum”, disse Zezinho.

O pai de Zezinho também é pescador e usou o próprio barco para salvar 16 pessoas com vida e ainda tirou dois corpos da água.

“O momento mais difícil foi a gente querer salvar tanta gente e não podia, né? O barco é pequeno, vinha tanta gente sentando… Não tinha como. À noite eu nem dormi com trauma”, relembra José Learte Lemos.

Leia Também