Soldado ucraniano “se explode” em ponte para impedir avanço de tropas russas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Antes de explodir a ponte, o soldado falou com os colegas militares e em seguida uma grande explosão foi ouvida.

Nessa sexta-feira (25) um soldado da Ucrânia decidiu tirar a própria vida para tentar impedir o avanço das tropas russas pela ponte rodoviária Genichesky. Em um ato heroico, Vitaliy Skakun Volodymyrovych, explodiu a ponte, que estava minada. Pela bravura, Vitaliy recebey homenagens nas redes sociais oficiais das Forças Armadas da Ucrânia.

De acordo com informações divulgadas na postagem, o soldado era de um batalhão separado e ofereceu-se para realizar a tarefa de explodir a ponte. No entanto, ele não teve tempo de sair. Segundo os colegas de Vitaliy, ele teria entrado em contato informando que estava explodindo a ponte. Em seguida, uma grande explosão foi ouvida.

“Neste dia difícil para o nosso país, quando o povo ucraniano está repelindo os ocupantes russos em todas as direções, um dos lugares mais difíceis no mapa da Ucrânia foi o istmo da Criméia, onde um batalhão separado de fuzileiros navais encontrou um dos primeiros inimigos. Para parar o avanço da coluna de tanques, decidiu-se explodir a ponte rodoviária Genichesky”, começa o texto.

“Nosso irmão morreu. Seu ato heroico retardou significativamente o avanço do inimigo, o que permitiu que a unidade redistribuísse e organizasse a defesa”, continuou.

Enquanto isso, os conflitos seguem na Ucrânia. Neste sábado (26), o exército e a população do país seguem resistentes aos ataques russos. O presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, declarou hoje que “desmantelou o plano” de invasão da Rússia e lançou um apelo pela defesa da capital Kiev, que se tornou o principal alvo das forças de Moscou.

No terceiro dia da ofensiva lançada pelo presidente russo, pelo menos 198 civis ucranianos, incluindo três crianças, foram mortos, e 1.115 pessoas ficaram feridas na Ucrânia, de acordo com o ministro ucraniano da Saúde, Viktor Lyashko.

Leia Também