Criança de 9 anos é resgatada por ONG de casamento com homem de 55 anos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
A menina tinha sido vendida pelo pai, sem o consentimento da mãe.

Uma criança, de apenas 9 anos teve a vida salva a ONG Too Young To Wed (TYTW) conseguir resgatá-la após a menina ter sido vendida pela família dela para casar com um homem de 55 anos. O caso ocorreu no Afeganistão.

A história de Parwana Malik ganhou visibilidade internacional após a emissora CNN noticiar que a menina tinha sido vendida pelo pai dela, Abdul Malik, como forma de conseguir renda para sustentar o resto da família e após a ONG, que trabalha para salvar meninas do casamento infantil, ter conhecimento conseguiu salvar a vida de pequena.

“Estou muito feliz. Me livraram do meu marido. Meu marido era um homem velho. Eles me trataram mal. Me xingaram, me acordaram cedo e me obrigaram a trabalhar,” disse Parwana à CNN.

Parwana, os cinco irmãos e a mãe, Reza Gul, passaram dois dias hopedados em um hotel e depois foram transferidos para uma casa em um local considerado seguro. Até então, eles viviam em uma tenda em Qala-e-Naw, na província de Badghis. A família deve permanecer na residência até o fim do inverno.

Segundo a mãe da menina, a venda foi feita contra a vontade dela. Reza Gul relatou que o caso chocou até mesmo a comunidade que conhecia o comprador, identificado como Qorban, o que levou o homem a se esconder.

“Claro, eu fiquei com raiva. Lutei com meu marido e chorei. Ele disse que não tinha opção. Milha filha conta que que bateram nela. Ela não queria ficar lá. Agora me sinto feliz e segura aqui. Meus filhos estão comendo bem desde que chegamos, eles estão brincando e estamos nos sentindo felizes”, conta.

O pai da vítima também foi pressionado e chegou a mudar sua versão sobre o casamento em entrevistas posteriores para veículos de comunicação locais. Mesmo após a devolução da menina para a família, ele ainda deve o equivalente a US$ 2.200 ao comprador. Abdul aprovou a realocação da família e a ONG irá ajudá-lo a quitar o débito.

Stephanie Sinclair, fundadora da TYTW, celebra o resgate, mas ressalta que resolução do problema não é definitiva. “É uma solução temporária, mas o que realmente estamos tentando fazer é impedir que as meninas sejam vendidas para o casamento. É um imperativo moral que a comunidade internacional não abandone as mulheres e meninas do Afeganistão. Todas as vidas são importantes, e as vidas que podemos salvar irão melhorar a experiência de toda a família delas e de suas comunidades”, afirmou.

Leia Também