Publicidade

Motorista de app e passageira, vítimas do acidente com carreta, são identificados

Facebook
Twitter
WhatsApp

O Corpo de Bombeiros Militar (CBM), identificou como Rosinaldo Sarmento Viana, 51, e Francinalva Costa da Silva, 37, condutor e passageira do veículo esmagado na tarde desta sexta-feira (25), pelo tanque carregado de combustível que se desprendeu de uma carreta. O acidente aconteceu na esquina da rua 9, conhecida como curva da comunidade Bela Vista, bairro Puraquequara, zona Leste de Manaus.

ADVERTISEMENT

De acordo com o CBM, o homem foi identificado após a esposa dele, que acompanha o percurso das viagens do marido via monitoramento, perceber que o motorista de aplicativo estava há muito tempo parado naquela rua. Ela então ligou para empresa de rastreamento para verificar o que havia acontecido.

Foi quando ela descobriu o acidente, a mulher se deslocou até o endereço e reconheceu o carro da vítima. Segundo a esposa, Rosinaldo saiu da casa da família no bairro Zumbi para trabalhar.

Já Francinalva foi identificada pela família que esteve também no local. Eles contam que Nalva, como era carinhosamente chamada, estava a caminho da casa onde morava quando a fatalidade aconteceu.

Ao delegado Gerson Oliveira, do 14º Distrito Integrado de Polícia (DIP), o condutor da carreta disse que perdeu o controle do veículo após ele ficar perder a força na ladeira e descer de ré a rua, capotar e cair em cima do veículo de passeio.

“A carreta estava subindo a via e o carro vinha a poucos metros atrás. O veículo perdeu a força, não conseguiu prosseguir com a subida e começou a descer. Em determinado momento, arrebentou o que prendia o veículo ao reboque e ele virou em cima do carro que estava atrás”, explicou o delegado.

O condutor da carreta permaneceu no local até a chegada da polícia e acompanhou os trabalhos de retirada das vítimas debaixo do tanque que pesa toneladas. Ele foi encaminhado para uma delegacia para prestar esclarecimentos.

Após não conseguirem içar a peça com um guindaste, devido ao peso e ao risco de explosão por conta do produto inflamável, foi necessário usar um caminhão do tipo cavalinho, com uma cinta presa ao automóvel esmagado e arrastá-lo, o retirando debaixo do tanque da carreta.

Depois disso que foi feito o desencarceramento das vítimas de dentro das ferragens. Após os procedimentos os cadáveres foram entregues ao Instituto Médico Legal (IML), para procedimentos legais e liberação posterior à família.

Leia Também

plugins premium WordPress
error: Conteúdo protegido contra cópia!