Pais de crianças agredidas por fisioterapeuta revelam mais violências e pedem prisão, em protesto

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Vários pais foram para frente da delegacia protestar e pedir a prisão de mulher, acusada de agredir crianças com autismo.

Na manhã desta sexta-feira (8), pais e responsáveis pelas crianças que sofreram agressões da fisioterapeuta, Samia Patricia Riatto Watanabe, de 44 anos, estiveram no 22º Distrito Integrado de Polícia (DIP) para realizar um protesto e pedir a prisão na mulher.

Ela é acusada por eles, por agredir fica e psicologicamente, além de torturas crianças com autismo e apesar de diversos vídeos mostrarem a forma como a fisioterapeuta agia quando estava sozinha com as vítimas, ela nega as acusações.

A avó de uma dessas crianças relatou que percebia que sempre que chegava em casa, o neto reclamava que estava com fome. Ao ter acesso aos vídeos do sistema de segurança da clínica onde Samia atendia, a responsável viu que a profissional tomava o lanche do pequeno e comia, não o deixando comer.

Outro responsável disse que ao ver as imagens, viu o filho sendo “estrangulado” pela fisioterapeuta. “Eu vi as imagens e nelas é claro que ela torturava meu filho. Ela poderia ter inclusive matado com o estrangulamento que fez nele”, disse o pai de outra criança que era atendida por Samia.

No início desta semana, a fisioterapeuta foi indiciada por maus-tratos. Em depoimento, Samia Patricia negou as acusações. No entanto, a delegada Juliana Tuma, titular do 22º DIP, informou que além da denúncia inicial, outras duas foram registradas nesta semana. As partes envolvidas foram chamadas para esclarecimentos. O Inquérito Policial foi concluído e remetido à Justiça.

Leia Também