Entregador de panfleto religioso se masturba dentro de ônibus em Manaus

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

Duas jovens viveram momentos de terror dentro do transporte coletivo em Manaus. Segundo elas, ambas foram vítimas de importunação sexual dentro do 214 que faz o trajeto Conjunto Hileia/Centro, no dia 22 de abril deste ano. Mas, somente nesta segunda-feira (2), criaram coragem para divulgar o ocorrido, além do vídeo onde o caso foi flagrado.

Uma das jovens contou ao A CRÍTICA, que as duas foram abordadas pelo homem, que falava sobre a “volta de Jesus”. “Ele entregou o panfleto, aceitamos e continuamos conversando normalmente. Foi quando abaixei a cabeça para ler o panfleto, então senti ela [a amiga] me cutucando pra olhar para o lado, e quando olhei me deparei com essa cena ridícula e absurda. Pensei rapidamente vou gravar, porque se ver uma viatura, não vai ser apenas palavras, mas terei provas”, relata a vítima.

Ainda conforme a jovem, elas então decidiram gravar e gritar. Porém, cerca de quatro pessoas, além do cobrador e motorista apareceram.

 “Gritei porque queria só que ele parasse e saísse daquele lugar. Então pedi para o motorista abrir [a porta], e ele abriu no mesmo momento. Eu fiquei perto da porta gritando com ele, pedindo para ele sair várias vezes. Ele pediu ‘desculpas’, só que não aceitei, então ele desceu meio correndo nem olhando pra trás”, relata Anny. 

“Ninguém nos ajudou. Os dois que estavam na frente perguntaram porque eu estava gritando daquele jeito com o cara, e eu falei. Só me ‘parabenizaram’ pela atitude, mas ninguém fez nada, até minha amiga ficou em choque”, continua. 

A jovem afirma que ainda pensou em registrar um boletim de ocorrência contra o suspeito, mas afirma que acabou não o fazendo por não acreditar na Justiça.

“Estava falando sobre o assunto com uma amiga e então fiquei encorajada a falar, alertar outras mulheres, porque creio que não fui a primeira e única que passou por isso. Eu estou cansada de ver esse tipo de situação e ninguém fazer nada, estou cansada desses doentes não serem punidos. Não quero que isso aconteça mais com nenhuma mulher, não quero que passem por situações constrangedoras assim. Estou cansada de falar e não ser ouvida”, desabafou a jovem.

Leia Também