Laudo detalha violência sofrida por vítima estuprada por Prior

Facebook
Twitter
WhatsApp

Uma entrevista exclusiva do Fantástico, da Globo, trouxe o relato emocionante da vítima de estupro de Felipe Prior. O ex-BBB foi condenado a 6 anos de prisão pelo crime de estupro praticado em 2014. O laudo médico registrado no dia do crime, que mostrava que a vítima sofreu laceração na vagina durante ato, foi determinante para que o ex-BBB fosse enquadrado pelo Código Penal.

ADVERTISEMENT

“Começou a tirar minha roupa e, à medida que as coisas iam acontecendo, ele se tornava cada vez mais agressivo comigo. Eu falei ‘Felipe, eu não quero, não quero’, e ele continuou insistindo, continuou tirando a minha roupa e começou a penetração. Cada vez que eu falava que eu não queria, ele se tornava mais agressivo. Eu comecei a tentar resistir fisicamente, e ele começou a puxar meu cabelo. Começava a me segurar pelos braços, me segurar pela cintura. Proferiu umas frases muito… Passaram 9 anos e, tipo… Ele começou a falar para eu parar de me fazer de difícil, que é claro que eu queria, que agora não era hora de falar que não e começou a forçar a penetração.”

“Quantas vezes eu preciso falar não para a pessoa entender que ela está me machucando, que ela está me violentando?”, questionou.

“E aconteceu a laceração, que foi bem doloroso. Eu gritei. Começou a sair muito sangue. E eu comecei a gritar de dor, e aí ele parou imediatamente, falou: ‘O quê que é isso?  E eu, tipo, não sabia o que estava acontecendo, estava muito assustada. Só fui pegando minhas roupas e tentando estancar o sangue. Aí ele perguntou se eu queria ir para o hospital. Falei que não, que eu só queria ir para minha casa.”

“Ele é muito mais forte que eu. Não tinha como sair dessa situação… De madrugada, bêbada, com pressão baixa, e ele controlando o meu corpo, os meus movimentos, fazendo o que ele queria fazer, sabe? Você só quer que aquela situação acabe”, contou Themis.

“[Ver o sangue]  foi o susto que ele teve que levar para parar a situação. Fez uma poça de sangue no carro dele, nele. Sinceramente, acho que ele ficou mais preocupado com o carro dele do que comigo. Depois, ele foi para o porta-malas, ficou pegando pano e tentando limpar o carro. Eu tampei minha ferida com as minhas roupas. Eu senti uma dor que eu nunca senti antes.”

A vítima disse que não viu perigo em ir para casa no carro do arquiteto, já que estudavam na mesma universidade, e por 6 meses, pegou carona com ele, em um sistema de carona pagas, criado pelos amigos que moravam na zona Norte da capital paulista.

A mãe dela foi quem a levou ao hospital, a médica que a atendeu ainda a encorajou a denunciar, mas ela confessou que estava envergonhada demais.

Somente em 2017 com o Movimento Me Too, e em conversa com amigas e vítimas, que ela entendeu que não tinha culpa do que aconteceu e que deveria denunciar.

“Parece um absurdo hoje, quando eu olho para trás, pensar que eu achava que eu tinha sido a única pessoa que tivesse passado por isso. Quando vi todos os relatos, as denúncias, aquilo me chocou de tal forma que eu falei: ‘Esse cara tem que ser denunciado. Esse cara tem que pagar pelos crimes que ele cometeu”, destacou.

Os advogados de Prior disseram que irão recorrer da decisão: “a defesa de Felipe Antoniazzi Prior reitera a inocência de Felipe e que a sentença prolatada pela 7ª Vara Criminal de São Paulo será objeto de recurso de apelação ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo “.

Leia Também

plugins premium WordPress
error: Conteúdo protegido contra cópia!