Investigado por lavar de dinheiro em obra no Aeroporto de Manaus, Deputado Delegado Pablo tem bens bloqueados pela Justiça

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
O deputado Delegado Pablo é investigado por crimes como lavagem de dinheiro, corrupção passiva, falsidade ideológica, dentre outros.

Alvo da operação da Polícia Federal “Seronato”, o deputado federal Delegado Pablo (PSL) teve os bens bloqueados por determinação da Justiça Federal do Amazonas. Ele é investigado por lavagem de dinheiro, corrupção passiva, falsidade ideológica, corrupção e violação de sigilo funcional.

A decisão foi do juiz Federal da 2ª Vara Federal, Marllon Souza. Nela o magistrado determina o sequestro de dois imóveis do investigado, um na avenida Efigênio Salles, e outro na avenida Jufari. O juiz também autorizou o compartilhamento das informações da Receita Federal para que sejam realizados lançamentos e cobranças de tributos que possam ter sido sonegados no período e desta forma, o órgão poderá investigar se o deputado cometeu outros crimes fiscais.

Ficha suja

Delegado Pablo é um dos investigados da operação “Seronato”, que foi deflagrada pela PF. Nela, ele é investigado por crime como corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. O inquérito também apontou que o deputado cometeu crimes de corrupção e violação de sigilo funcional da operação “Udyat”.

De acordo com a PF, as provas dos crimes e indícios apurados nas investigações do primeiro inquérito indicaram que o deputado federal teria se prevalecido do cargo de delegado ao fazer mau uso das informações obtidas durante a investigação que resultou na operação “Udyat”, que foi deflagrada em 2012. Ele teria viabilizado de forma ilegal o agenciamento da venda de uma empresa que pertence à mãe dele, pelo valor de R$ 500 mil.

Na época da “Seronato”, o deputado se defendeu em suas redes sociais. Na ocasião ele afirmou que as acusações eram mentirosas e descabidas, e que se referiam a fatos ocorridos há oito anos. Além dele, são investigados também dois familiares, dois empresários e a ex-sócia de uma das empresas envolvidas.

Já na segunda investigação, o Delegado Pablo é apontado por práticas de crimes de falsidade ideológica, favorecimento em razão do cargo e lavagem de dinheiro. Eles teriam sido praticados durante a subcontratação da empresa que é registrada no nome da mão do delegado, para que ela executasse o serviço de paisagismo do Aeroporto Internacional de Manaus, obra no valor de R$ 1,2 milhão.

Diante de todas essas acusações, o parlamentar disse, por meio de sua assessoria, que não irá se pronunciar.

Leia Também