Foragido da Justiça, Allan dos Santos pede ao STF desbloqueio bancário alegando não conseguir se manter nos EUA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Segundo a defesa do bolsonarista, o bloqueio “inviabilizou a subsistência própria e familiar do impetrante", já que ele foi privado de "renda e recursos de natureza alimentar".

O foragido da Justiça, blogueiro Allan dos Santos, pediu aos Supremo Tribunal Federal (STF) o desbloqueio das contas bancárias da empresa de comunicação dele, o canal Terça Livre. O bolsonarista está foragido desde outro de 2021, quando teve a prisão decretada pelo ministro Alexandre de Moraes.

No documento protocolado pela defesa do blogueiro no último domingo (13), ele pede o desbloqueio alegando que não tem como se manter nos Estados Unidos. Segundo a defesa de Allan dos Santos, o bloqueio “inviabilizou a subsistência própria e familiar do impetrante”, já que ele foi privado de “renda e recursos de natureza alimentar”.

Entenda

Em outubro do ano passado, o ministro Alexandre de Moraes determinou a prisão preventiva de Allan dos Santos. Na decisão, Moraes ainda ordenou que o Ministério da Justiça iniciasse imediatamente o processo de extradição do blogueiro, que se encontra nos EUA.

A decisão atende a um pedido da Polícia Federal. De acordo com a PF, o blogueiro, “a pretexto de atuar como jornalista”, assumiu a condição de um dos organizadores de um movimento responsável por ataques à Constituição, aos Poderes de Estado e à Democracia.

A suspeita é de que as ações podem ter sido financiadas com recursos públicos a partir de sua interlocução com a família Bolsonaro e parlamentares alinhados ao governo. O ministro ordenou ainda que fossem bloqueadas todas as redes sociais vinculadas a Allan dos Santos e ainda suas contas bancárias. Ele também não pode receber recursos das redes sociais por produção de conteúdo.

O bolsonarista Allan dos Santos é investigado no Supremo em dois inquéritos. Um deles apura a divulgação de fake news e ataques a integrantes da Corte. Já no outro, a apura a atuação de uma milícia digital que trabalha contra a democracia e as instituições no país.

Leia Também