Condenado a mais de 30 anos pela morte do advogado Wilson Filho, delegado Sotero deixa o regime fechado

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

O delegado Gustavo de Casto Sotero, condenado a mais de 30 anos de prisão pelo homicídio do advogado Wilson Justo Filho, pela tentativa de homicídio de outras duas pessoas e por lesão corporal contra outra vítima, conseguiu progressão do regime fechado para o regime semiaberto, concedida pelo juiz da 1ª vara de Execuções Penais (VEP), Luís Carlos Valois, no último dia 31 de agosto.

Ele estava preso na carceragem da Polícia Civil do Amazonas desde novembro de 2017, logo após cometer os crimes dentro da casa noturna “Porão do Alemão”, no bairro Ponta Negra. Ele foi condenado em 2019 e de acordo com a Polícia Civil a ordem já foi cumprida.

De acordo com o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), a progressão foi concedida diante de cálculos previstos na Lei de Execução Penal. No documento assinado pelo juiz, ele destaca que “Assim, com a análise da guia de recolhimento,  configurado está o período necessário para a progressão, conforme estabelece o Artigo 112, da Lei de Execução Penal, e estando presente a certidão de bom comportamento, inafastável é o direito do apenado a passar a cumprir o restante da pena em regime de semiliberdade”.

Ainda segundo o TJ-AM, a progressão não significa soltura do delegado e que Sotero será monitorado eletronicamente.

Gustavo Sotero foi condenado em 2019, a 30 anos de prisão. Na época da condenação, o juiz também determinou a perda do cargo de delegado, porém ainda está em grau de recurso.

Leia Também