Carlos Bolsonaro tem sigilos fiscal e bancário quebrados pela Justiça

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

A quebra dos sigilos bancários e fiscal do vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos), foi determinada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, na investigação que apura a contratação de funcionários “fantasmas” no gabinete do parlamentar. Outras 26 pessoas e sete empresas também tiveram os sigilos quebrados.

Pela primeira vez desde o início da investigação, há dois anos, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) levanta a possibilidade de um esquema de “rachadinha” no gabinete de Carlos na Câmara de Vereadores.

O pedido foi feito pelo MPRJ à Justiça do Rio. A decisão, de primeira instância, foi tomada em 24 de maio pela 1ª Vara Especializada de Combate ao Crime Organizado da Justiça fluminense.

Eleito vereador do Rio pela primeira vez em 2001, Carlos Bolsonaro está no sexto mandato consecutivo. Nesses 20 anos, dezenas de pessoas já foram nomeadas em seu gabinete. 

O regulamento da Câmara do Rio diz que esses assessores têm que cumprir uma jornada de trabalho de 40 horas semanais. 

Mas o MPRJ afirma ter indícios de que vários desses assessores não cumpriam o expediente na casa. E podem ser considerados funcionários “fantasmas”.

Leia Também