Assassinos do soldado Portilho são condenados, juntos, a mais de 170 anos de prisão

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Foram três dias de julgamento e as sentenças foram lidas na madrugada desta sexta-feira (24). Três dos acusados foram absolvidos e outros sete foram condenados.

A 3ª. Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus encerrou na madrugada desta sexta-feira (24), o terceiro e último dia de Julgamento Popular dos réus acusados da morte do policial militar Paulo Sérgio da Silva Portilho, crime ocorrido no dia 26 de maio de 2017, na invasão do Buritizal, Bairro Nova Cidade, zona Norte de Manaus.

Os réus foram julgados pelos crimes de homicídio qualificado, ocultação de cadáver, corrupção de menores e tortura. A Sessão foi encerrada com a leitura da sentença às 2 horas da madrugada desta sexta-feira.

Dez réus foram julgados, já que Marcos Neves Serra não foi localizado para ser intimado e será julgado em outra oportunidade, e Renata Lima e Rodolgo Barroso não compareceram ao julgamento.

Condenações

Os jurados absolveram os réus José Cleidson Weckner Rodrigues, Henrique da Silva e Silva e Alex Azevedo de Almeida.

Renata Lima da Silva foi condenada a 15 anos e quatro meses de prisão em regime fechado. Ela aguardava o julgamento em prisão domiciliar e poderá recorrer da sentença da mesma forma.

Felipe de Souza Santos foi condenado a 24 anos e seis meses de prisão em regime fechado. Jeferson de Souza Farias  foi condenado  a 21 anos e seis meses de prisão em regime fechado.

Bruno Medeiros Mota foi condenado a 46 anos e dois meses de prisão em regime fechado. Willian Paiva Cavalcante foi condenado a 22 anos de reclusão em regime fechado.

Rodolfo Barroso Martins não compareceu ao julgamento e foi condenado pelo crime de ocultação de cadáver em um ano e seis meses, e como respondia ao processo em liberdade, pode recorrer da sentença nessa condição.

Fábio Barbosa de Souza foi condenado a 39 anos e oito meses de prisão em regime fechado.

A sessão de julgamento começou às 9h50 de terça-feira (21), com a abertura dos trabalhos pelo juiz Rosberg de Souza Crozara. Os debates começaram às 9h de quinta-feira (23) e encerrando às 20h, quando os jurados começaram a votação do quesitos que terminou com nas primeiras horas desta sexta-feira.

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE/AM), por meio da 20.ª Promotoria de Justiça, destacou três promotores de Justiça para atuar na acusação: André Epifânio, José Felipe Fish e Carolina Maia.

Leia Também