Mãe de Paulo Gustavo relembra últimos momentos do ator no hospital: “Segurei a mão dele”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

BRASIL| Nesse último domingo (9), em um dos especial dedicados ao Dia das Mães, do ‘Fantástico’, o programa entrevistou Déa Lúcia, mãe do ator Paulo Gustavo, que morreu na última terça-feira (4), por complicações da covid-19, após passar 53 dias internado.

Na entrevista, a grande inspiração da trilogia Minha mãe é uma Peça, Déa Lúcia, contou como foi os últimos momento com o filho na UTI. Bastante emocionada, ela disse o quanto era difícil falar sobre Paulo, no momento de luto, mas que o filho precisava que ela dissesse o quanto ele foi importante.

“Fui chamada no hospital e falaram que ele teve morte cerebral. Eu segurei a mão dele, a Juliana (irmã) a outra e o Thales (marido), o pé. Fizemos a oração de São Francisco, que ele pedia para eu cantar para ele quando era pequeno. A frequência foi caindo até parar. Fechamos a cortina. Foi assim”, relatou emocionada.

Na conversa, ela também contou ter passado os 53 dias de internação do filho rezando. “Não estou bem, mas eu sou capaz de rir. Eu quando conto, falo dele, eu conto as coisas, eu rio, porque ele detestava quando eu chorava.”

Na conversa, Déa ainda disse que os netos, Romeu e Gael, vão ajudá-la a superar a perda do filho. “Thales vai ter que dividir de qualquer maneira. Qualquer coisa dou uma chave de braço nele e fico com os dois”, brincou a mãe de Paulo Gustavo.

A mulher ainda lembrou que o filho foi um ótimo exemplo contra o preconceito no BrasiL. “Ele deixou um exemplo maravilhoso contra o preconceito”, afirmou. Ela enfatizou que “ele teve uma família que deu amor a ele” e ressaltou que a homofobia é crime.

Leia Também