Crianças indígenas disputam Campeonato Amazon Grand Slam de Jiu-Jitsu

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Para a presidente da Associação Indígena Raimundo Mura, ver as crianças conquistando destaque no esporte e levando a cultura indígena para o tatame é ver seus sonhos se concretizarem.

As indígenas da etnia Kokama, Ana Izabele, de 10 anos, e Ana Isabel, de 8, foram confirmadas para disputar o Campeonato Amazon Grand Slam Jiu-Jitsu Gi e NoGi, na categoria Juvenil, que ocorrerá no sábado (13) e no domingo (14), às 9h, na Arena Poliesportiva Amadeu Teixeira, na avenida Constantino Nery, Flores, zona centro-sul de Manaus.

Segundo o diretor-presidente da Fundação Estadual do Índio (FEI), Edivaldo Munduruku, é importante ressaltar a divulgação e o incentivo do esporte entre os jovens indígenas. “Os jovens são as futuras raízes da nossa cultura indígena onde por meio das atividades esportivas, podem disseminar a cultura e fortalecer o reconhecimento dos povos indígenas. É importante espalhar, cativar e cultivar o esporte neles, para fortalecer e enriquecer o reconhecimento das diversas etnias”, disse.

Filhas de pais lutadores e treinadores, a inspiração de Izabele e Isabel vem do pai, Alexandre Ferreira, que é faixa-preta e treina as jovens desde os 5 e 3 anos de idade, respectivamente, por meio do projeto social que promove na garagem de casa, com o intuito de treinar jovens e crianças do bairro Monte das Oliveiras, zona norte de Manaus.

A mãe, Kamila Kokama, revela um sentimento de satisfação, orgulho e gratificação em ver as filhas se empenhando em algo que contribui para o desenvolvimento delas.

“É uma emoção muito grande ver minhas filhas lutando, fico gritando no ginásio, e é uma comoção enorme como mãe. Tenho cinco filhos, e todos praticam esporte, busco incentivá-los desde pequenos, para não ficarem parados e não irem para o mau caminho, minhas filhas são campeãs de tudo. Agora meu objetivo como mãe é ir em busca do sonho de participar da luta no Brasileiro de Jiu-Jitsu, que vai ocorrer no estado de São Paulo”, declarou.

Conquistas

Com o talento notado no meio juvenil, Izabele e Isabel adquiriram bolsa de estudo em uma escola privada por meio do esporte. As irmãs já acumulam medalhas das competições de que participaram.

Além disso, Ana Isabel garantiu o certificado de atleta destaque da Federação Amazonense de Jiu-Jitsu Esportivo (Fajje), nos anos de 2018 e 2020, destacando-se como melhor atleta do ano em sua categoria. Ana Izabele também ganhou o mesmo reconhecimento em 2018.

Para a presidente da Associação Indígena Raimundo Mura, Zilda Mura, ver as crianças conquistando destaque no esporte e levando a cultura indígena para o tatame é ver seus sonhos se concretizarem.

“Para mim é muito emocionante ver as meninas competindo, elas junto à família e mais 32 etnias, moravam no quintal do terreno que eu tinha. As crianças nasceram e cresceram próximas a mim, sendo um privilégio saber que hoje elas estão participando dos campeonatos amazonenses, e tenho uma emoção enorme fazer parte dessa história”, comentou.

Leia Também