Carmo Dalla se declara ao marido e alerta sobre crimes contra população LGBTQIA+

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

O ator Carmo Dalla Vecchia surpreendeu o público nesse domingo (11), durante a apresentação na Super Dança dos Famosos. Na repescagem, o participante do quadro aproveitou o momento de conversa com Tiago Leifert para fazer uma homenagem ao marido, o autor João Emanuel Carneiro, e ao filho do casal, Pedro.

O discurso da ator contra a homofobia foi intenso e emocionante. “É importante se posicionar”, declarou. A declaração foi feita antes de o ator se apresentar com a bailarina Bruna Santos.

Ele aproveitou a deixa da música que iria ser tocada durante a apresentação “We Are family” (Nós Somos uma Família), para falar sobre o assunto.

“É uma música que fala basicamente sobre sororidade, empatia e família. E eu gostaria pessoalmente de fazer uma homenagem muito grande à minha família. Então, eu gostaria de mandar um beijo muito grande e declarar o meu amor ao meu filho, Pedro, ao meu marido, João”, iniciou.

A declaração arrancou aplausos da plateia. Ele aproveitou ainda para se posicionar sobre a importância em se posicionar. “Gostaria muito de declarar esse amor aos dois. Eu acho muito importante esse posicionamento, para que outras pessoas também possam ver isso e se sentir iguais. Eu sou um cara extremamente feliz, extremamente realizado, com uma profissão que eu amo fazer, com amigos, com uma família que me aceita exatamente do jeito que eu sou. Só que a gente vive num país que não necessariamente é assim”, continuou.

“Se o meu exemplo pode servir para ajudar outras pessoas, para ter essa representatividade, eu fico muito feliz de ser essa pessoa”, disse.

O ator assumiu a homossexualidade e falou sobre homofobia – Foto: Reprodução

Abraçado por Bruna e aplaudido pelo público, o ator repudiou o alto índice de violência contra pessoas LGBTQIA+: “Gostaria também de falar que é uma coisa que eu acho superimportante, que nós temos um recorde no Brasil, um recorde muito triste: nós somos o país que mais mata trans do mundo. Mulheres travestis e transexuais”, declarou.

Leia Também