Energia elétrica vai ficar mais cara e terá reajuste anualmente em Manaus

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

Manaus-AM| O consumidor de energia em Manaus, a partir de 2023 pagará mais caro pela utilização do serviço. A taxa de iluminação pública vai ficar ainda mais alta. O Decreto Municipal reajusta o valor do serviço de iluminação pública (Cosip) em 3,8737%. O documento foi publicado no Diário Oficial do Município da última segunda-feira (28).

Como se o consumidor já não pagasse um valor alto o suficiente, todos os anos, terá reajuste. Segundo o Decreto, a lei em questão prevê que a partir de 2023, a taxa de iluminação pública será reajustada anualmente e o índice de reajuste informado até 30 de novembro do ano anterior.  A contribuição tem como referência o consumo mensal (kw) de cada consumidor, por classe de consumo e por unidade consumidora.
Os valores com reajuste passarão a ser cobrados no período de 1° de janeiro a 31 de dezembro de 2023, quando será aplicado o reajuste novamente.

Confira os valores conforme as taxas de consumo:

TABELA DA COSIP – MUNICÍPIO DE MANAUS
CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DO SERVIÇO DE
ILUMINAÇÃO PÚBLICA
FAIXAS DE CONSUMO MENSAL (KW) COMO ERA:
-TARIFA SOCIAL-ISENTO
-0 A 100  (KW)  – 8,00 REAIS
-101 A 200 (KW) – 10,00  R$
-201 A 300(KW) – -20,00  R$
-301 A 500(KW) – 30,00  R$
-501 A 1000(KW) – 50,00  R$

FAIXAS DE CONSUMO MENSAL (KW) COMO VAI FICAR EM 2023.
– TARIFA SOCIAL-  CONTINUA ISENTO
– 0 A 100 (KW)  – 8,31   R$
– 101 A 200(KW) – 10,39  R$
– 201 A 300(KW) – 20,77  R$
-301 A 500(KW)   – 31,16  R$
– 501 A 1.000(KW) – 51,94  R$

Para o presidente da Federação Comercial do Amazonas (Fecomércio-AM) Aderson Frota, o reajuste da tarifa pública podem inibir o consumo e afetar a atividade econômica.

“O consumidor já vem de uma sequência de aumentos causados pelo cenário externo como a alta das commodities, da gasolina, dos fretes, dos serviços portuários. Aí veio a guerra (entre Rússia e Ucrania) gerando uma série de aumentos nos preços dos alimentos.  Então são duas vertentes que geraram a inflação”, lembra Frota.

Leia Também