Petrobras anuncia aumento nos preços da gasolina e do gás de cozinha

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
O reajuste passa a valer a partir deste sábado (9), nas distribuidoras e a aumento irá refletir na bolso dos brasileiros.

Mais um reajuste no preço da gasolina e do gás de cozinha (GLP) foi anunciado pela Petrobras nesta sexta-feira (8). O aumento, de 7,2%, passa a valer a partir deste sábado (9), nas distribuidoras.

Conforme a companhia, o preço da gasolina passará a ser de R$2,98. Atualmente o valor é de R$2,78, ou seja, R$0,20 centavos a menos, por litro. Já o gás de cozinha terá aumento de R$0,26. O que antes era R$3,30, o quilo, passa a ser R$3,86. O preço médio da botija de 13 Kg ficará em R$50,15.

Na prática, considerando a mistura obrigatória de 27% de etanol anidro e 73% de gasolina A para a composição da gasolina comercializada nos postos, o aumento deve ficar em média por litro, R$0,15 a mais do que é comercializado hoje.

Sobre os demais combustíveis, a Petrobras não anunciou nenhum reajuste. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos últimos 12 meses a gasolina teve aumento total de 39,6% e o gás de cozinha, 34,67%.

Para justificar a alta dos preços, a Petrobras disse que o reajuste sobre o gás ocorre “após 95 dias com preços estáveis, nos quais a empresa evitou o repasse imediato para os preços internos da volatilidade externa causada por eventos conjunturais”. Para a gasolina o período é de 58 dias de estabilidade.

A Petrobras também afirmou que o aumento reflete os patamares internacionais de preços de petróleo e a taxa de câmbio. Ainda de acordo com a companhia, esses ajustes “são importantes para garantir que o mercado siga sendo suprido em bases econômicas e sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras”.

Briga entre poderes

Os preços cobrados nas bombas viraram motivo de embate entre o presidente e os governadores. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem cobrado publicamente que os estados reduzam o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para que, dessa forma, os preços da gasolina e do diesel recuem.

Já o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse na segunda-feira que o governo discute a possibilidade de capitalizar um fundo de estabilização dos preços de combustíveis com ações da estatal Pré-Sal Petróleo (PPSA) ou com ações que o BNDES tenha na Petrobras.

Leia Também