Lei criada por Glória Carrate, que permite cobrança de sacolas em supermercados entra em vigor em outubro

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
A Lei, que atinge diretamente o bolso do consumidor foi aprovada e passa a valer a partir do dia 1º de outubro.

A partir do dia 1º de outubro, os supermercados de Manaus estão proibidos de distribuir sacolas aos clientes. A Lei municipal n° 485, de autoria da vereadora Glória Carrate (PL), foi sancionada pelo prefeito de Manaus, David Almeida, e tem como objetivo estimular hábitos sustentáveis à população manauara.

Em um dos artigos da Lei, diz que os estabelecimentos estão proibidos de dar sacolas para os clientes colocarem suas compras, como acontece atualmente. Os supermercados serão obrigados a fixarem placas com frases como “Poupe recursos naturais! Use sacolas reutilizáveis”.

O estabelecimento que descumprir irá ser penalizado com base na Lei nº605, do Código Ambiental de Manaus.

Valores incluídos

Até hoje, os supermercados “davam” as sacolas para que os consumidores colocassem as suas compras. Porém, o valor, como qualquer outro serviço, produto oferecido ao cliente, ou impostos, é incluído o valor total dos produtos que estão à venda no estabelecimento.

A dúvida dos consumidores é se com a retirada da sacola “gratuita”, os preços também serão reajustados.

Já sinalizaram

Após a sanção da Lei, pelo menos três supermercados já sinalizaram a aplicação da nova medida. O DB publicou em suas redes sociais que irão disponibilizar sacolas plásticas pra que sejam compradas pelos clientes, bem caixas de papelão e ecobags.

O grupo informou ainda que as sacolas que serão disponibilizadas serão feita de material biodegradável, que se decompõe mais rápido no meio ambiente.

Em três lojas da rede Supermercados Vitória já existe a restrição de distribuição de sacolas. Nessas lojas a sacola é vendida a R$0,03.

No Atacadão também já não é feita a distribuição de sacolas. Lá o valor de cada sacola é de R$0,25. Para justificar o alta valor, a rede informou que a verba arrecada com a venda é direcionada a instituições de caridade.

Leia Também