Decepção! Ao consultar saldo de ‘dinheiro esquecido’, idosa descobre que tem R$2,82 a receber: “Fiz tanto plano”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
A aposentada achava que iria receber o dinheiro da venda de uma casa, que foi confiscado da poupança durante o governo Collor.

Com a novidade anunciada pelo Banco Central sobre “dinheiro esquecido” em bancos no passado, a aposentada Antonia Campos, de 83 anos, consultou o sistema e descobriu que tinha dinheiro a receber. Com a boa notícia ela se animou e fez até planos de trocar de carro, mas agora ao saber o valor, a aposentada viu os sonhos serem destruídos.

De acordo com a idosa, que mora em Natal, ao saber que tinha direito a receber dinheiro ela logo relacionou a quantia a um valor da venda de uma casa que ela tinha na poupança no governo Collor e que foi confiscado pela União. “Eu pensava: será que eles vão pagar o dinheiro da poupança? Pagaram nada”, disse dona Antonia ao ver o valor que tinha a receber.

O principal desejo dela era trocar de carro. Mas a ideia foi frustrada ao descobrir o valor, nesta segunda-feira (7): apenas R$ 2,82. “Fiz tanto plano, disse que ia troca meu carro, porque o meu é pequeno demais. Gravei o dia para saber logo, mas onde já se viu banco guardar dinheiro de alguém de graça?”, questiona.

Segundo foi informado a ela, o saldo de R$ 2,82 é referente a um consórcio que ela havia iniciado, mas conta que abandonou após uma briga em uma reunião, muitos anos atrás.

Dinheiro não “cai do céu”

Apesar da “surpresa” quanto ao valor que tem a receber, a aposentada diz que prefere trabalhar para ganhar seu dinheiro. Ao longo da vida, ela conta que trabalhou vendendo bolos, cocadas e até joias de ouro, e que só parou por causa da pandemia, mas ainda ainda pretende voltar, apesar dos filhos preferirem que ela descanse.

Quer saber se tem dinheiro?

Os brasileiros com algum dinheiro ‘esquecido’ nos bancos podem conferir o valor dos recursos e pedir o resgate a partir desta segunda-feira (7). São R$ 4 bilhões que serão pagos a 28 milhões de clientes, sendo 26 milhões de pessoas físicas e 2 milhões de empresas, segundo o Banco Central.

Entre os dias 7 e 14 de março, as consultas e pedidos de resgate serão liberados apenas para as pessoas nascidas antes de 1968 e para as empresas criadas antes deste mesmo ano. Para os demais, os recursos serão liberados nas semanas seguintes.

Leia Também