Sexta-feira sangrenta: 5 pessoas são mortas em diferentes zonas de Manaus na manhã de hoje

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
A Polícia Civil investiga se as cinco mortes ocorridas nesta sexta-feira (26) têm ligação entre elas.

Durante as primeiras horas desta sexta-feira (26), cinco pessoas foram assassinadas na cidade de Manaus, em diferentes zonas da cidade. Todos os crimes tinham resquícios de crueldade e assustaram os moradores da capital amazonense.

Os crimes ocorreram em bairros das zonas Leste, Norte e Oeste. A Polícia Civil já está investigando os assassinatos e vendo se eles têm ligação. A maioria dos corpos encontrados na manhã de hoje estão sem identificação.

Logo no início da manhã, a Polícia Militar foi acionada para atender dois chamados. O primeiro, no bairro Nova Cidade, zona Norte da capital. Lá um homem foi encontrado morto por moradores do local com marcas de tortura e um tiro na cabeça. A outra ocorrência foi registrada no bairro Jorge Teixeira, na zona Leste da cidade. Um homem sem identificação foi morto, provavelmente por estrangulamento e deixado em um ramal.

Instantes depois, a polícia foi informada sobre um corpo que estaria nas margens de um igarapé, no bairro Glória, zona Oeste. Lá a vítima também estava sem identificação e tinha marcas de facadas pelo corpo todo.

Ainda na zona Oeste, no conjunto Augusto Montenegro, que fica no bairro Lírio do Vale, um suposto morador de rua foi encontrado com marcas de agressão física pelo corpo e a principal suspeita é que ele tenha sido linchado.

O último registro de morte da manhã foi no bairro Tarumã. Lá um jovem identificado como Ailton Santos da Silva, 25, foi executado a tiros enquanto caminha em via pública para comprar pão.

Até o momento nenhum suspeito de ter cometido estes crimes foi identificado. Investigadores da Polícia Civil estiveram em todos os locais detalhados acima e já trabalham para tentar conseguir desvendar a motivação, autoria e se há ligação entre as mortes.

Leia Também