Cobertura da vacinação contra a poliomielite alcança 75% em Manaus e prefeitura estuda cenário de risco

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

A Prefeitura de Manaus informa que a cobertura vacinal contra a poliomielite está em cerca de 75% no município, ainda abaixo da meta de 95% preconizada pelo Ministério da Saúde. A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) promoverá uma webconferência, na próxima quarta-feira, 14/12, para discutir o cenário de risco para reintrodução da doença na capital junto aos profissionais de saúde.

A titular da Semsa, Shádia Fraxe, explica que apesar da baixa cobertura, que considera a média do ano de 2022, é possível observar um leve avanço em relação ao ano anterior, quando a cobertura vacinal contra a poliomielite fechou em 68% em 2021.

“Infelizmente essa não adesão dos pais à vacinação vem sido observada não só no Brasil, mas em todo o mundo, e alguns países já até confirmaram a reintrodução do vírus. Até por volta de 2015, a meta de 95% era alcançada com sucesso anualmente, mas desde então o índice vem caindo no País, o que deixa nossas crianças cada vez mais vulneráveis à doença”, conta.

Ações

Ainda de acordo com a secretária, diversas ações foram realizadas pela Semsa ao longo do ano para incentivar que os pais levem seus filhos para se proteger contra a pólio, como os “Sabadões da Saúde”, o uso da Gerência de Telessaúde para convocar os pais, o Fórum Municipal de Vacinação, os “Dias D de multivacinação”, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, de 8/8 a 30/9, duas grandes campanhas publicitárias, além de imunização casa a casa.

“A poliomielite é uma doença muito grave, também conhecida como paralisia infantil, e que afeta principalmente as crianças menores de 5 anos, que são o público-alvo da vacinação. Ela é capaz de deixar sequelas graves e permanentes nas vítimas, e a única forma de proteção é através da vacina”, diz Shádia.

Serviço

A vacina contra a poliomielite está disponível em 171 unidades da Semsa, cujos endereços estão listados no link bit.ly/salasdevacinamanaus. Conforme Shádia, os pais devem ficar atentos aos horários, pois algumas salas de vacina estendem o funcionamento até 19h e 21h, como estratégia para facilitar o acesso da população.

As primeiras doses são injetáveis (VIP) e devem ser recebidas aos dois meses, aos quatro meses e aos seis meses de vida. Aos 15 meses e aos 4 anos, a criança deve receber as doses de reforço, feitas com a gotinha (VOP). Além disso, crianças de 1 ano a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias) devem receber, de forma adicional,  as doses de reforço durante as campanhas nacionais de vacinação.

Capacitação

Na próxima quarta-feira, 14/12, a Semsa irá promover mais uma edição do Diálogos na Atenção Primária à Saúde (APS), com o tema “Cenário de Risco para Reintrodução da Poliomielite”. A webconferência é uma estratégia da secretaria para promover, semanalmente, a capacitação e educação permanente dos servidores da rede.

O assunto será discutido das 14h às 15h30, e terá como participantes o médico Wagner de Souza e a enfermeira Eliane Fernandes, ambos da Gerência de Vigilância Epidemiológica da Semsa, e a enfermeira Diana Felício, coordenadora estadual da Poliomielite do Estado do Amazonas.

A webconferência é voltada aos servidores da rede municipal de saúde, mas também poderá ser acessada pelo público em geral por meio do link https://conferenciaweb.rnp.br/webconf/esap-semsa.

Leia Também