Prefeitura de Manaus dá início ao projeto ‘Viver Bem na Terceira Idade’

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
A ideia do projeto é de descentralizar as atividades que já são oferecidas pelo Parque Municipal do Idoso (PMI), oferecendo atividades em associações em grupos de idosos em Manaus.

A Prefeitura de Manaus, por meio da Fundação Dr. Thomas (FDT), deu início ao projeto “Viver Bem na Terceira Idade”, através de um edital de chamamento público com recursos do Fundo Municipal de Direitos do Idoso (FMDI). A ideia do projeto é de descentralizar as atividades que já são oferecidas pelo Parque Municipal do Idoso (PMI), promovendo lazer, convívio social, ocupação e recreação para nove associações e grupos de idosos de Manaus, com duração de seis meses. O projeto será coordenado pelo Instituto Norte Brasil.

“Buscar qualidade de vida dos idosos nos bairros é a meta da gestão. Queremos descentralizar o atendimento no Parque Municipal do Idoso, para que todos tenham acesso às atividades. É meu compromisso promover o bem-estar da terceira idade, para que eles tenham um envelhecimento saudável”, salientou o prefeito de Manaus, David Almeida.

A diretora-presidente da FDT, Martha Moutinho, destacou a importância das ações da Política Municipal do Idoso de disponibilizar esse projeto diretamente em núcleos.

“A descentralização dessas atividades, normalmente oferecidas pelo PMI, e que agora chegam até idosos de vários pontos da capital, é de extrema necessidade no momento em que vivemos. O Parque do Idoso atende aos idosos da zona Centro-Sul de Manaus e às vezes o idoso que mora em outro ponto da cidade quer ter um espaço para suas atividades, quer cuidar da saúde, por isso a importância e atenção que estamos colocando neste projeto, levar essa qualidade de vida a todos os idosos da capital, sem medir esforços. É nossa missão na FDT”, ressaltou.

O projeto iniciou no dia 3/1 com a capacitação de toda a equipe, como professores de educação física, estagiários, coordenadores e supervisores, e no dia 5/1, com as atividades. O intuito é trazer uma reformulação do Pró Idoso, projeto que já aconteceu na FDT em 2012, com novas atividades, mas com o mesmo objetivo: promover qualidade de vida e inclusão social, qualificando o padrão de envelhecimento do idoso por meio do esporte da recreação e do lazer.

A gerente administrativa da FDT, Gracilene Celestino, explica que para decidir a coordenação do projeto, foi realizado um edital publicado no Diário Oficial do Município (DOM), nº 5.524, de 17 de novembro de 2021, para convocar instituições interessadas em executar o projeto.

“Demos um prazo para essas empresas se prepararem e marcamos um dia para receber as propostas, e o Instituto Norte Brasil foi um dos que atendeu todos os pré-requisitos que estabelecemos e as exigências do edital, sendo assim habilitada a executar o projeto”, salientou a gerente.

A duração inicial do projeto seria de seis meses, mas através de emendas parlamentares disponibilizada pelos vereadores Lissandro Breval (Avante), Wanderley Monteiro (Avante) e Bessa (Solidariedade) em conjunto com o FMDI, a duração do projeto pode ser estendida e assim, atendendo um público por mais três meses.

O coordenador geral do projeto, Aldévio Praia Junior, explica que as atividades foram pensadas de maneira específica para atender os idosos. “Buscaremos trabalhar principalmente a questão da força, já que a terceira idade é a que mais sofre os efeitos da sarcopenia, processo de perda de massa magra inevitável para todo ser humano que se intensifica com o passar das décadas. É importante trabalhar esse aspecto já que, sem força, o idoso pode vir a sofrer com várias doenças como pressão alta, obesidade e sedentarismo”, salientou.

Segundo o coordenador, os planos de aula foram idealizados de maneira que atendesse não só a essa necessidade, mas também ajudar nas questões de coordenação, flexibilidade, agilidade, equilíbrio e respiração, além de oferecer atividades dinâmicas de recreação que promovem não só a saúde cardiovascular do idoso, como também contribui para a socialização.

Um dos supervisores do projeto, o educador físico Caique Taumaturgo, do Núcleo Girassol, explica que não estava trabalhando em meio à pandemia e o projeto foi uma oportunidade para a inserção no mercado de trabalho. “Sabemos que no momento em que vivemos é de extrema importância oferecer, de forma cuidadosa, a oportunidade de praticar essas atividades aos idosos da capital para que eles possam manter uma saúde e imunidade boa, justamente durante esse período”, afirmou.

As atividades oferecidas pelo programa serão artísticas e recreativas em geral, palestras educativas, além de eventos como aniversariantes do mês, bailes e datas festivas, Jogos Idoso Saudável (JIS), manhã recreativa na Ponta Negra, esportes adaptados: voleibol, atletismo, futsal e basquetebol, ginástica terapêutica, caminhada orientada, danças, passeios e jogos de salão: dominó, baralho, dama, entre outros.

A idosa Eliana dos Santos conta que, através do projeto, pode retomar suas atividades mesmo em meio à pandemia. “Esse vírus acabou nos impedindo de fazer muitas coisas, mas o que mais sentia falta era poder praticar minhas atividades e conversar com meus colegas. Fiquei muito feliz quando soube do projeto, pois percebi que poderia retomar minha rotina e ainda assim continuar tomando todos os cuidados necessários”, salientou.

Os núcleos que farão parte do projeto são: Vitória Alegre (Rua Tocantinópolis, nº 254, bairro Grande Vitória); Idosos do Coroado (Rua Dom Bosco, nº 230, bairro Coroado II); Fonte de Águas Vivas (Rua Senador Leitão da Cunha, nº 98C, bairro São Francisco); Amigos da Cachoeirinha (Avenida Carvalho Leal, nº 1.151, bairro Cachoeirinha); Orquídeas (Rua Penetração III, bairro Japiim III); Girassol (Rua Padre Francisco, bairro Santo Antônio); Amigos da Melhor Idade (Rua Mares do Sol, bairro Gilberto Mestrinho); Anos Dourados (Rua A-4, n 1.100 – Japiim II); e Unidos em Cristo (Igreja Santa Clara, bairro João Paulo II).

Leia Também