Publicidade

Casa onde moram mãe e quatro filhos desaba na Compensa

Facebook
Twitter
WhatsApp

A casa onde moram a dona de casa Rosilene Monteiro Dutra, de 41 anos, e os quatro filhos, desabou na manhã deste sábado (18), menos de uma semana após a tragédia que tirou oito vidas em um deslizamento em Manaus. A residência de madeira que fica na rua Cristo Reis, na Compensa, zona oeste, ainda está com parte dos pertences da família.

ADVERTISEMENT

Rosilene e filhos saíram do local há poucos dias, cientes de que a casa poderia cair. Ele não conseguiu retirar todas as coisas, mas salvou a vida de todos.

Pouco menos de uma semana após as fortes chuvas que causaram um deslizamento de terra no bairro Jorge Teixeira, na zona Leste, no último domingo, 12/3, a Prefeitura de Manaus, por meio de uma operação conjunta entre todo o poder público manauara, capitaneada pela Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), concluiu, nesta quinta-feira, 16/3, o processo de mudança das 86 famílias, anteriormente abrigadas na escola municipal Helena Augusta Walcott, também no Jorge Teixeira.

Ao fim do dia, 70 famílias foram encaminhadas a um conjunto de quitinetes alugadas no bairro Cidade de Deus, na zona Norte, enquanto o restante também foi acompanhado até seus novos endereços, que terão seus aluguéis pagos por meio do benefício Auxílio Aluguel, no valor de R$ 600.

De acordo com o titular da Semasc, Eduardo Lucas, a nova alocação dos comunitários não marca o fim dos trabalhos da prefeitura no atendimento a essas pessoas. Ao longo da próxima semana, uma base de atendimentos ainda deve ser montada, composta por profissionais da Assistência Social, Saúde e outras áreas, a fim de sanar as principais demandas apresentadas.

“Continuaremos dando total assistência a essas famílias. Após isso, a população ainda pode contar com todos os equipamentos socioassistenciais, os benefícios sociais e as políticas públicas à sua disposição”, explicou o secretário.

Ainda segundo a diretora do Departamento de Proteção Social Especial da Semasc (DPSE), Neila Sardinha, é a partir dessa última etapa de atendimentos que as famílias devem ser instruídas e apoiadas no processo de desenvolvimento de sua independência.

“É um acompanhamento não muito prolongado, na medida do possível, justamente para que elas possam desenvolver esse senso de protagonismo, fundamental para a sobrevivência e para a qualidade de vida dessas famílias. Uma vez inseridas no Auxílio Aluguel e, por consequência no Cadastro Único, elas começam a ter as ferramentas necessárias para a retomada e a melhoria de suas condições”, destacou.

Anteriormente abrigada em uma das salas da escola municipal Helena Augusta Walcott, a dona de casa e mãe de dois filhos, Maria Beraza, assim como outras famílias, conheceu, nesta quinta, aquele que deverá ser seu novo lar ao longo do próximo ano e agradeceu.

“Quando tivemos que sair de casa, passamos por um momento muito difícil, mas agora acho que estamos muito melhores. Assim que chegamos aqui, agradeci muito a Deus por tudo o que está sendo feito por nós, fiquei realmente feliz”, afirmou.

Além das novas acomodações, ainda foram entregues 85 kits, compostos por itens domésticos, a todas as famílias atendidas ao longo dos últimos dias.

Ação conjunta

A mudança, assim como todo o atendimento socioassistencial e jurídico prestado ao longo dos últimos dias, fez parte de uma ação conjunta das secretarias municipais da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), de Educação (Semed), de Infraestrutura (Seminf), de Limpeza Pública (Semulsp), de Saúde (Semsa), da Agricultura, Abastecimento, Centro e Comércio Informal (Semacc), de Segurança Pública e Defesa Social (Semseg), Defesa Civil de Manaus, Fundo Manaus Solidária, além da agências da ONU (Acnur, Unicef, UNFPA e OIM) e as secretarias estaduais de Assistência Social (Seas) e de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc).

 

Leia Também

plugins premium WordPress
error: Conteúdo protegido contra cópia!