Polícia Civil prende 33 envolvidos na morte dos três meninos de Belford Roxo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Um dos traficantes disse que os meninos morreram porque tinham roubado um passarinho. Eles foram torturados até a morte.

Nesta quinta-feira (9), uma mega operação para prender envolvidos no caso do desaparecimento de três crianças em Belford Roxo, na Baixada Fluminense (RJ), resultou até o fim da manhã de hoje no cumprimento de 31 mandados de prisão, sendo que 15 dos alvos já se encontravam presos no sistema penitenciário. Dois traficantes foram presos em flagrante.

O objetivo da Polícia Civil era encerrar o inquérito sobre a mortes dos meninso Lucas Matheus, de 9 anos, Alexandre da Silva, 11, e Fernando Henrique, de 12 anos de idade. Ao todo a Justiça expediu 56 mandados de prisão pelos crime de triplo homicídio com ocultação de cadáver, tortura e tráfico de drogas.

Os policiais chegaram aos envolvidos após conseguir interceptar ligações telefônicas e áudios de traficantes da comunidade. De acordo com as investigações, uma traficante conhecida como “Tia Paula” teria sido a responsável por sumir com os corpos dos meninos. No entanto, ela e mais três investigados foram mortos por ordens da cúpula da facção criminosa Comando Vermelho como “queima de arquivo”.

Uma testemunha relatou à polícia que o gerente do tráfico do Castelar, identificado como Wille de Castro, assumir que matou as crianças porque elas roubaram passarinhos de um parente do criminoso. “Nós pegamos as crianças, matamos elas, elas estavam roubando no morro, pegaram o passarinho do meu tio para vender na feira”, teria dito o traficante na ocasião.

Tortura

Ainda segundo a polícia, os três meninos passaram por sessão de tortura como uma sequência de espancamentos antes de serem executados. Um deles teria morrido durante a sessão.

Os três meninos, que era primos, estavam desaparecidos desde dezembro de 2020. Os corpos foram jogados em um rio e até hoje não foram encontrados.

Leia Também