Mulher é presa por dar golpe do PIX para comprar cachorro avaliado em R$ 10 mil

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
A mulher foi presa no momento que recebia o cachorro, da raça lulu da pomerânia. Ao todo ela aplicou golpes que chegam a R$ 40 mil.

Uma mulher, identificada como Paloma Aguiar da Rosa, de 25 dias, foi presa em flagrante pelo crime de estelionato após comprar cachorros utilizando comprovantes de transferências bancárias por PIX falsificados.

De acordo com investigações da 13ª DP, a mulher, que é moradora de Copacabana, na zona Sul do Rio de Janeiro, foi surpreendida no acesso do terminal de cargas do Aeroporto Santos Dumont, retirando um cachorro da raça lulu da pomerânia que havia sido adquirido por ela de maneira fraudulenta de um canil da cidade de Ivoti, no Rio Grande do Sul.

De acordo com o delegado Felipe Santoro, Paloma procurou o estabelecimento, por WhatsApp, em 3 de janeiro, para comprar um cachorro de R$ 10 mil. Na ocasião, ela combinou que pagaria R$ 4.500 à vista e o restante do valor seria parcelado no cartão de crédito. No dia da venda, ela apresentou um comprovante falso e o cão foi enviado, de avião, para o Rio de Janeiro, em 18 de fevereiro.

Quatro dias depois, Paloma teria comprado outro cachorro por R$ 8.500 e no dia 1º de março, mais um por R$ 20 mil, utilizando a mesma forma de pagamento fraudulenta. Após os proprietários do canil perceberem o golpe, eles acionaram a Polícia Civil do Rio Grande do Sul. Em um trabalho de inteligência e monitoramento, agentes do programa Copacabana Presente e da 13ª DP conseguiram flagrar a criminosa no momento que ela retirava o animal do aeroporto.

Aos policiais, a jovem confessou os crimes. Com ela, foram encontrados outro lulu da pomerânia e itens também comprados de maneira irregular.

“Nos chamou atenção a perfeição da falsificação dos comprovantes das transações financeiras apresentados pela criminosa. Diante disso, a orientação que damos, para evitar novas vítimas de fraudes semelhantes, é para conferirem se de fato os valores caíram nas contas ao fazerem as negociações”, destaca o delegado.

No Rio, Paloma tem 15 anotações criminais por estelionato, nos três primeiros meses de 2022, em Ipanema. No Mato Grosso, ela também aparece em registros desse delito. A jovem foi encaminhada ao sistema penitenciário.

Leia Também