Menino fã do Samu faz primeiros socorros e salva vida da mãe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Segundo os socorristas, os procedimentos adotados pela criança enquanto aguardava a chegada do Samu foram primordiais para salvar a vida da mãe dele.

Um menino, de apenas 11 anos de idade, salvou a mãe diabética durante uma crise de hipoglicemia. O fato ocorreu no último fim de semana, em Botucatu (SP) e chamou a atenção dos socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Ele adotou vários procedimentos enquanto o serviço não chegava.

De acordo com informações dos socorristas, o pequeno Giulio Cassio teria encontrado a mãe, a auxiliar de enfermagem Giuliana Amaral, desmaiada em casa durante uma crise de hipoglicemia. O menino então ligou para o Samu para pedir ajuda.

Os atendentes chegaram a pensar que se tratasse de mais um trote, geralmente passado por crianças. Ainda assim, a funcionária pediu informações básicas ao garoto, como se a mãe respirava e se ela tinha algum problema de saúde. Diante das confirmações passadas pelo menino, a viatura foi acionada e a orientação do serviço foi que a criança apenas “aguardasse a chegada da viatura”. Mas Giulio não se limitou a esperar.

Ao perceber que a mãe não respondia porque estava desacordada, fez ele mesmo o exame de ponta de dedo, que resultou na taxa de 27 (muito baixa). Diante do resultado do exame, ele mesmo tomou a iniciativa de desligar a bomba de insulina que a mãe usa para evitar que o medicamento seguisse sendo injetado no organismo da mulher.

Facilitou a chegada do Samu

Além de iniciar os procedimentos com a mãe, o garoto tomou outras iniciativas que foram fundamentais para agilizar o atendimento de Giuliana. Pensando em facilitar a chegada dos socorristas em sua casa, Giulio mobilizou os colegas de bairro para que todos apontassem a localização exata da casa dele assim que a ambulância do Samu chegasse à região.

Além disso, o menino providenciou a colocação de focinheiras nos cães de grande porte que a família possui, e que poderiam atacar os socorristas do Samu.

“Ele foi um herói, o menino tem todo o perfil de um socorrista, ele pode ser considerado um socorrista mirim”, afirma Carlos Costa, um dos socorristas que atendeu a ocorrência.

A mulher conta que convive com o diabetes há 30 anos e que, por isso, seu único filho já está acostumado a vê-la tendo crises.

Amor por carros e pelo Samu

Giulio cursa o sexto ano do ensino fundamental e é um aluno dedicado, segundo a mãe. Em casa, ele exercita a paixão que possui por carros, mantendo uma coleção de mini automóveis.

No entanto, o carrinho favorito é justamente uma viatura do Samu que ele ganhou de presente quando tinha apenas dois anos. Mesmo com a pouca idade, Giulio já sabe que, quando crescer, quer ajudar a salvar mais vidas.

Leia Também