Mariposas causam surto de coceira e lesões em pele de moradores de Recife

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Os insetos são atraídos por focos de luz das casas e quando debatem contra as lâmpadas, liberam cerdas minúsculas que penetram na pelo humana, causando a coceira.

Nas últimas semanas, um surto de coceira chamou a atenção de médicos e especialistas da Grande Recife (PE). Ao todo 17 municípios registraram a coceira em moradores, que ficavam com granes lesões na pele. De acordo com médicos que estudam os casos, a coceira é provocada por mariposas do gênero Hylesia.

Cláudia Ferraz, membro de força-tarefa criada pela administração municipal para investigar os episódios, e Vidal Haddad Junior são os dermatologistas responsáveis ​​pelo estudo para determinar como causas do problema. E foram eles que chegaram às mariposas como culpadas.

Segundo os especialistas, esses insetos, que estão em período de reprodução, são atraídos por focos de luz e, por isso, costumam entrar nas casas. Quando se debatem contra lâmpadas, liberam cerdas corporais minúsculas que penetram na pele humana, o que gera uma intensa coceira. A equipe de pesquisa conta com dermatologistas, infectologista e epidemiologista.

Em novembro, um artigo produzido por pesquisadores da Ufal (Universidade Federal de Alagoas) apontou como possível causa o uso indiscriminado de ivermectina. O medicamento é usado em tratamento de sarna e piolho e também faz parte do chamado “kit Covid”, conjunto de remédios sem eficácia comprovada no combate à Covid-19.

Para Marcella Abath, secretária executiva de Vigilância em Saúde do Recife, não é possível descartar outras hipóteses, mas a que envolve a mariposa é a mais forte até agora. “São todos os casos? Provavelmente não. Certamente tem relatos que são de outras questões, como acontece no dia a dia”, destacou.

Casos

Os primeiros casos da coceira surgiram no início de outubro, mas se intensificaram na virada do mês. No fim de novembro, as notificações pularam de 185 para 427, de acordo com informações divulgadas por prefeituras. Na capital, 49 bairros registraram relatos.

Haddad Junior lembra que surtos semelhantes já foram notificados nos últimos anos em outras localidades, como em Jundiaí, São Vicente e Ubatuba, cidades paulistas. “O animal é pequeno, cinzento, e não chama a atenção. Mariposa dentro de casa de vez em quando todo mundo tem. Então demorou para as pessoas associarem”, explicou.

Leia Também