Jornalista é intimidada ao vivo por dois homens enquanto fazia reportagem sobre greve de motoristas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Os homens não se importaram com o fato de a repórter estar ao vivo e partiram para cima dela, tentando impedir que a jornalista fizesse o seu trabalho.

Nesta sexta-feira (25), a repórter do SBT, Branca Andrade, foi intimidada por dois homens ao vivo enquanto fazia a cobertura da greve dos motoristas que provocou o caos na cidade do rio de Janeiro para as pessoas que necessitam do transporte público. O fato ocorreu no terminal Alvorada do BRT, na Barra da Tijuca.

“A gente estava à caminho da passarela para poder entrar ao vivo e dar o serviço para a população”, disse a jornalista para Isabele Benito, apresentadora do SBT Rio. “Olha só, o senhor está no ar agora, o senhor me dá licença. O senhor está atrapalhando o meu trabalho”, continuou , enquanto o homem andava na frente da câmera, cercando a repórter.

“Eu estou aqui para mostrar que o BRT parou de funcionar essa madrugada e a população está sem conseguir embarcar. Nesse momento nós estamos sem liberdade de expressão, estamos cerceados aqui, como você pode ver, Isabela”, continuou a jornalista.

Nesse momento, a repórter, nervosa com a situação, pediu para o homem se afastar. “O senhor está atrapalhando o meu trabalho, cara. Não é assim que funciona. Estou tentando andar. O meu chefe me pediu para entrar a vivo e eu estava andando”, disse ela. Neste momento se aproxima mais um homem que fica em frente da câmera junto com o outro que já estava no local. Logo em seguida, um dos homens pisa no cabo de áudio da jornalista que ficou sem o retorno do estúdio, onde a apresentadora se comunicava com ela.

Nas redes sociais, o prefeito do Rio Eduardo Paes ficou indignado com a atitude dos dois homens e garantiu que os mesmos não eram funcionários do BRT. “Absurdo! Certamente nenhum desses sujeitos tem qualquer relação com a prefeitura. Já determinei ao secretário de Ordem Pública a devida apuração para que eles possam responder por essa situação”. 

Leia Também