Homem é linchado após ser acusado injustamente de ser estuprador por duas mulheres

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Durante uma discursão, as mulheres começaram a gritar que ele era estuprador e com isso a população se revoltou e o linchou.

Mãe e filha, identificadas como Bruna Hoffman, de 26 anos, e Lucineia Pereira da Silva, de 50, foram presas suspeitas de envolvimento na morte de Miguel Inácio Santos Filho, de 49 anos. O crime ocorreu na Grande Vitória (ES). Elas mentiram, acusando a vítima de estupro.

De acordo com a polícia, Miguel teria agendado um programa com Bruna e após o programa, eles teriam desacordado sobre o valor a ser pago. Conforme o delegado responsável pelo caso, Daniel Fortes, o homem teria pago um valor a mais do combinado, mas depois teria retornado a casa da suspeita para tirar satisfações.

Neste momento, Miguel teria arremessado uma pedra na janela da casa. Bruna, ao ver o que ele tinha feito, inventou que o homem era estuprador, o que revoltou a população da região.

“Quando Bruna retorna ele toma distância considerada. Ela pega uma madeira e vai em direção à vítima. Ele corre para fugir da Bruna e da mãe que estava com ela. Ela resolve gritar que ele era estuprador e teria mexido com duas crianças na região”, contou o delegado.O delegado disse logo em seguida, moradores seguraram a vítima e a espancaram até a morte, juntamente com Bruna e Lucinéia. A mãe usou uma enxada e Bruna um pedaço de madeira. Outras pessoas deram pedradas em Miguel.

“A vítima era trabalhador, inocente. Não tinha praticado nenhum estupro. A Bruna deixa bem claro em depoimento que só fez isso para que a população segurasse a vítima que ela não alcançaria. É mais um inocente que é morto por uma notícia falsa. A população não pode fazer justiça com as próprias mãos. Isso fica a cargo do estado por intermédio das polícias. Não se deixem levar pelo que é falado para fazer justiça”, alertou o delegado.Ainda de acordo com o delegado, Miguel não era estuprador. “Foi um desacordo comercial com a senhorita Bruna e esse desacordo levou a essa fala criminosa dela”, disse.

A investigação continua e a polícia tenta agora identificar as outras pessoas que participaram do linchamento.

Leia Também