Homem é indiciado por estupro virtual e extorsão contra amigo; ele obrigou a vítima engolir uma moeda

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
O suspeito se passou por uma mulher e após conseguir fotos íntimas, passou a extorquir e obrigar o amigo a fazer diversas "tarefas".

Um homem, identificado como Airton Andrade Pereira da Silva, de 27 anos, foi indiciado por crimes de estupro virtual, falsa identidade e extorsão. Os crimes ocorreram em Fortaleza (CE) e tiveram como vítima o próprio amigo do suspeito. O caso foi divulgado nesta quinta-feira (13), pela Polícia Civil.

De acordo com a polícia, o suspeito conhecia a vítima, que tem 24 anos, há cerca de 10 anos. Ele fingiu ser uma mulher e manteve um relacionamento virtual com o “amigo”. Após conseguir que a vítima enviasse fotos íntimas, ele passou a chantageá-lo e extorqui-lo. “O agressor ameaçava a vítima com fotos de parentes e de caixões, dizendo que mataria a família dele se não tivesse o que exigia”, disse o delegado Valdir Passos, responsável pela investigação do caso.

Porém, além de extorquir dinheiro, o suspeito também obrigava a vítima a fazer algumas “tarefas” que deveriam ser filmadas. Entre os pedidos a vítima teve que engolir uma moeda colocada em um copo com água. Outra vez ele teve que tomar água sanitária e até mesmo comer as próprias fezes. Em outra tarefa o jovem foi obrigado a colocar um copo de vidro no ânus, ocasião em que o objeto se quebrou e ele acabou machucado.

E foi justamente após este último episódio que ele tomou coragem e contou sobre o que vinha passando para a família. A partir daí ele registrou um Boletim de Ocorrência (BO). “O infrator já estava na posse de muito material pornográfico e passou a exigir tanto valores em dinheiro, depositado em uma conta bancária, como tarefas de natureza bizarras, como comer as próprias fezes, beber a própria urina retirada do vaso e o copo introduzido no ânus, o que resultou em ferimentos”, revelou o delegado.

O caso foi denunciado pela vítima em 2020 e, desde então, era investigado pelo 5º Distrito Policial, que localizou Ayrton na Região Metropolitana de São Luís, no Maranhão. A Polícia Civil continua as investigações visando identificar outras vítimas do suspeito.

Leia Também