Gatinha da Cracolândia chora de saudade da filha no Dia das Mães: ‘dor imensurável’

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

O Dia das Mães da Gatinha da Cracolândia é atrás das grades. Presa e condenada por trásfico, ela pediu para sair e ver a filha de 1 ano e 6 meses neste domingo (9), mas a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) negou. Chateada, ela escreveu uma carta, dizendo que queria “ter a filha nos braços”, reclamando da saudade, sem se lembrar das famílias que sofrem com viciados dentro de casa.

Lourraine Cutier Bauer Romeiro escreve: “É como se do dia para a noite desaparecêssemos de suas vidas, sem sequer nos despedirmos”, desabafou, com saudade da sua bebê. “É uma dor imensurável para todas nós e nossos familiares, pois além de estarmos provisoriamente em cárcere, não podemos ver nossas crianças”. A SAP explica que por ser mãe de uma criança que não poder vacinada, a visita foi negada, como cuidados por conta da pandemia.

“A Secretaria da Administração Penitenciária esclarece que, como parte das ações de flexibilização das medidas restritivas, já estuda a liberação da entrada de crianças abaixo de 5 anos e a decisão deve ser comunicada em breve”.

Leia Também